ESTUDO ESCATOLOGIA I

escatologia-150820221023-lva1-app6892-thumbnail-4

ESTUDO COMPLETO DE ESCATOLOGIA

QUADRO PANORÂMICO DE ESCATOLOGIA COMPLETO

Mapa-Ecatologiapda

O ARREBATAMENTO DA IGREJA

É certeza que JESUS virá coma Igreja e que a Igreja já subiu antes?
A palavra grega faneróo de epifaneia, em Cl 3.4, significa, manifestar, aparecer – esse texto revela que Jesus voltará com a igreja, ver: 1 Ts 3.13;
Pergunta:
Como Jesus voltará com a igreja se antes não a levou? Por isso é que somos pré-tribulacionistas, vamos subir antes da Grande Tribulação.
Cl 3.4 Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória.
1 Ts 3.13 Para confirmar os vossos corações, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos.

O arrebatamento é a ressurreição em sua primeira fase, depois vem a segunda fase da ressurreiçao no final da Grande Tribulação (vão ressuscitar aqueles que deram suas vidas durante a grande tribulação, foram degolados) – essas duas ressurreições fazem parte da primeira Ressurreição.
E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de JESUS, e pela palavra de DEUS, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com CRISTO durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram.

No dia do arrebatamento acontecerão grandes acidentes – Carros desgorvernados, aviões, trens, metrô, fogões ficarão acesos, tudo o que tem controle do homem estará sem controle se a pessoa que a dirigia era um crente salvo, pois foi arrebatado.
A trombeta tocada é um chamado à reunião com JESUS, não pode ser de juízo, pois somente a igreja a ouvirá. Alarido é barulho de festa, de alegria. Voz de arcanjo indica que Aquele que ali está é o que habita entre os querubins e tem a máxima autoridade no céu e na terra.

Aqueles que morreram no mar, ou no fogo ou de qualquer outra forma serão transformados primeiro e depois subirão ao encontro de JESUS juntamnete conosco.
Tem que haver transformação do corpo para estar no céu.
Aqui na terra nossos corpos são feitos do pó da terra para morar na terra. São corpos terrestres, materiais, corruptíveis – No arrebatamento nossos corpos serão transformados em corpos celestes, espirituais, incorruptíveis, eternos.

Os teus mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos. Isaías 26:19
Veja o caso dos impios — E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. Apocalipse 20:13

Esta é a primeira ressurreição. Apocalipse 20:4,5. Desta primeira ressurreiçao fazem parte todos os que foram justificados no antigo testamento, todos os crentes que já morreram e todos os que estavam vivos e salvos no momento do arrebatamento e todos os que se converteram durante a grande tribulação.
E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados. Hebreus 11:39,40

A segunda ressurreição só se dará no final do milênio, no dia do juízo final no trono branco – Ali todos os mortos que não aceitaram a CRISTO serão condenados ao lago de fogo e enxofre.

O importante é saber o seguinte: Se alguém morre crente vai para o paraíso esperar o arrebatamento. Se alguém morre não sendo crente vai para o inferno esperar o juízo final no trono branco e ser lançado no lago de fogo e enxofre.
E disse-lhe JESUS: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. Lucas 23:43
Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar. 2 Coríntios 12:4
E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. Apocalipse 20:13

Dormir não é dormir como se estivesse morto e não saber de nada ou não ver nada, é apenas não poder interferir aqui na Terra. DEUS é DEUS de vivos. Elias e Moisés desceram no monte da transfiguração bem vivos. Tanto faz no inferno como no paraíso se tem consciência plena de tudo a respeito do passado e do presente. DEUS é DEUS de vivos. Dormir é apenas não poder interferir mais na terra e nos seus acontecimentos. Quem está no paraíso e quem está no inferno, todos estão vivos, sabendo o que acontece e conhecendo as pessoas, por exemplo, no inferno está sentido dor, sede, tormento, tendo conhecimento dos parentes.
E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio.
E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado – Lucas 16:23,24
E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Lucas 16:27-29

SOBRE CRIANÇAS E ARREBATAMENTO
Por favor entendam este versículo – MT 24:19 Mas ai das que estiverem grávidas, e das que amamentarem naqueles dias!
Este versículo não tem nada a ver com arrebatamento. essas mulheres aqui são as que estiverem grávidas durante a grande tribulação, será difícil fugir com um barrigão grande e também terão de sacrificar seus filhos para comerem tamanha será a fome. Quando Israel estiver cercada de exércitos inimigos se repetirá o que já aconteceu antes em Jerusalém.
### Portanto os pais comerão a seus filhos no meio de ti, e os filhos comerão a seus pais; e executarei em ti juízos, e tudo o que restar de ti, espalharei a todos os ventos. Ezequiel 5:10
### E lhes farei comer a carne de seus filhos e a carne de suas filhas, e comerá cada um a carne do seu amigo, no cerco e no aperto em que os apertarão os seus inimigos, e os que buscam a vida deles. Jeremias 19:9
### Vê, ó Senhor, e considera a quem fizeste assim! Hão de comer as mulheres o fruto de si mesmas, as crianças que trazem nos braços? Ou matar-se-á no santuário do Senhor o sacerdote e o profeta? Lamentações 2.20
### Isso já aconteceu e vai tornar a acontecer nos dias do cerco de Jerusalém durante a grande tribulação. As mães comerão seus próprios filhos e terão que dividir seus filhos com outros que estão para morrer de fome.
Ezequiel 5.10 – os pais devorarão a seus filhos. O canibalismo poderia ser uma consequência de um cerco demorado (2Rs 6.26-29; Lm 2.20). Moisés tinha advertido que isso poderia acontecer se a nação de Israel não fosse obediente (Dt 28.53-57).
### E sucedeu que, passando o rei pelo muro, uma mulher lhe bradou, dizendo: Acode-me, ó rei meu senhor. E ele lhe disse: Se o Senhor te não acode, donde te acudirei eu? Da eira ou do lagar? Disse-lhe mais o rei: Que tens? E disse ela: Esta mulher me disse: Dá cá o teu filho, para que hoje o comamos, e amanhã comeremos o meu filho. Cozemos, pois, o meu filho, e o comemos; mas dizendo-lhe eu ao outro dia: Dá cá o teu filho, para que o comamos; escondeu o seu filho. 2 Reis 6:26-29

### Jesus, porém, disse: Deixai as crianças e não as impeçais de virem a mim, porque de tais é o reino dos céus.(Mateus, 19.14 ).
Isso poderia até ser aplicado assim, se uma criança morrer sem ter a consciência do pecado ela será salva. Não temos como afirmar que as crianças serão arrebatdas, infelizmente. Esperemos que sim.
Mas no arrebatamento essas crianças não vão morrer e no decorrer da tribulação terão no mínimo sete anos quando a mesma terminar, com a capacidade total de se decidirem por Cristo neste período. Se entrarem neste período com pouca idade, mas seus país tiverem lhes inculcado o evangelho, com certeza escaparão, se ouvirem as pregações durante a grande tribulação serão salvas. Não temos base bíblica para dizer que as crianças vão ser arrebatadas, a não ser as que estiverem no ventre de suas mães, porque morreriam se fossem arrancadas de lá no arrebatamento e nesse caso Deus estaria fazendo abortos, o que é inconcebível acreditar.
DIANTE DO EXPOSTO ACIMA, QUAL A EDUCAÇÃO QUE VOCÊ TEM DADO PARA SEUS FILHOS. ELES SABEM MAIS DE CELULAR E DE JOGUINHOS OU DA BÍBLIA? A EBD ESTÁ ESPERANDO POR ELES E POR VOCÊ TODOS OS DOMINGOS PELA MANHÃ.
Também pus atalaias sobre vós, dizendo: Estai atentos ao som da trombeta; mas dizem: Não escutaremos. Jeremias 6:17
Filho do homem: Eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel; e tu da minha boca ouvirás a palavra e avisá-los-ás da minha parte. Ezequiel 3:17
Mas, se quando o atalaia vir que vem a espada, e não tocar a trombeta, e não for avisado o povo, e a espada vier, e levar uma vida dentre eles, este tal foi levado na sua iniqüidade, porém o seu sangue requererei da mão do atalaia. Ezequiel 33:6
CALMA – existe um apossibilidade de sua criança ser arrebatada sim – Mas veja, é um apossibilidade, não posso afirmar. Veja este versículo preciosos da Palavra de DEUS –
Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos. 1 Coríntios 7:14

Assim como temos a.C. e d.C., a humanidadae será dividida entre o a.A, e o d.A – antes e depois do arrebatamento. Tudo será diferente sem o povo de DEUS e sem o ESPÍRITO SANTO. Trevas densas esperam a humanidade neste período de grande tribulação tal qual nunca houve.
Durante a grande tribulação vai morrer mais gente do que todas as que já morreram até hoje somadas desde Adão até hoje. Só por 5 meses a morte fugirá dos homens.
E naquela mesma hora houve um grande terremoto, e caiu a décima parte da cidade, e no terremoto foram mortos sete mil homens; e os demais ficaram muito atemorizados, e deram glória ao DEUS do céu.Apocalipse 11:13
Por estes três foi morta a terça parte dos homens, isto é pelo fogo, pela fumaça, e pelo enxofre, que saíam das suas bocas. Apocalipse 9:18
Apocalipse: 9. 5. Foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem. E o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem.
6- E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles.
10. Tinham caudas com ferrões, semelhantes às caudas dos escorpiões; e nas suas caudas estava o seu poder para fazer dano aos homens por cinco meses.
Os exércitos do anticristo todos vão morrer destruídos por JESUS.

RESUMO RÁPIDO –
I – TODOS OS SALVOS SERÃO ARREBATADOS
1. A reunião dos salvos no encontro com CRISTO.
2. Quem será arrebatado?
Alguns interpretam que só os que aceitaram a JESUS como Senhor e Salvador serão arrebatados, eu creio que todos os que foram justificados no Antigo Testamento como Abel, Noé, Abraão, Davi, Samuel, Elias, Eliseu, Isaías, etc…todos esses também serão arrebatados juntamente com a igreja. Todos os que estiverem vivos também e em comunhão com DEUS, inclusive creio que as crianças das mães crentes também subirão, estando elas grávidas ou com seus filhos pequenos (que ainda não têm consciência de pecados). Não creio que crianças de descrentes subirão, pois terão 7 anos de grande tribulação pela frente para se converterem e depois ainda terão todo o milênio para se converterem caso não tenham, aceitado a marca da besta.

II – O ARREBATAMENTO E A RESSURREIÇÃO DOS MORTOS
1. A ignorância acerca dos mortos (1 Ts 4.13).
2. A primeira e a segunda ressurreição.
3. A transformação dos crentes que estiverem vivos quando JESUS voltar.
A Igreja dos Tessalonicenses estava tendo problemas para entender que não estava vivendo durante a Grande Tribulação, pois alguns assim os ensinavam baseados no fato de estavam sendo duramente perseguidos pelos judeus. Paulo então lhes explica que para estarem vivendo durante a Grande Tribulação, seria necessário já ter acontecido o arrebatamento da Igreja, seria preciso o ESPÍRITO SANTO ter deixado a igreja e a Terra, seria necessário ser identificado o anticristo, seria necessário dois grandes blocos de países terem se juntado contra Israel.
Outro problema enfrentado pela Igreja dos Tessalonicenses é que pensavam que os que já tinham morrido estavam perdidos pois não tinham alcançado a vinda de JESUS. Paulo lhes explica que ao voltar JESUS, no arrebatamento, os que já haviam morrido seriam transformados em primeiro lugar e depois ressuscitados juntamente com os que estavam vivos e sendo transformados.
Essa transformação se dará num momento, num abrir e fechar de olhos, para entendermos, mas, mais rápido do que isso acontecerá o nosso encontro com CRISTO, nos ares. Hoje moramos em corpos terrestres, materiais e corruptíveis (morrem e apodrecem), porém, naquele dia seremos transformados e teremos corpos celestes, espirituais, incorruptíveis (eternos, indestrutíveis).

III – ANTES DO ARREBATAMENTO E DEPOIS DELE
1. Antes, é preciso vigilância.
2. Depois, viveremos felizes para sempre.
Como já vimos na lição 4, precisamos estar atentos aos fatos que ocorrem e aos sinais da vinda de CRISTO, a respeito dos quais já nos preveniu. devemos estar ocupados fazendo a obre de DEUS, orando, jejuando, lendo e estudando a Palavra de DEUS e em santificação, amando a vinda de JESUS para nos buscar.
Estaremos, logo após o arrebatamento, no tribunal de CRISTO, recebendo galardão e participando das bodas do cordeiro, depois viremos, em corpos gloriosos, juntamente com CRISTO, para o auxiliarmos no governo das Terra por mil anos sobre as nações e os judeus.

“Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados” (1 Co 15.52).

TEXTOS REFERENTES AO ARREBATAMENTO

“O clarim já nos alerta; Nosso coração desperta; Pois a vinda é bem certa de JESUS” (Harpa Cristã 206).

1 Ts 4.17 Nós seremos arrebatados
17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.
4.18 CONSOLAI-VOS UNS AOS OUTROS. Paulo inspira esperança nos tessalonicenses, não lhes dizendo que se preparem para o martírio durante o período do “Dia do Senhor” (5.2-10), i.e., a tribulação (Ap 6.19), mas mediante a mensagem sobre o arrebatamento (vv.14-17; Jo 14.3; 1 Co 15.51-58). Mediante o conhecimento dessa doutrina, poderão consolar uns aos outros e saberem que não passarão pela tribulação, antes, porém serão arrebatados, ou seja, levados para o céu.

1 Ts 4.17 Nós iremos ao encontro do Senhor nos ares
17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.
Jo 14.3 VIREI OUTRA VEZ. (1) Tão certamente como CRISTO subiu ao céu, Ele voltará para levar seus seguidores para si mesmo, conduzindo-os à casa do Pai (ver 14.2; cf. 17.24), o lugar que lhes está preparado. Esta era a esperança dos crentes dos tempos do NT, e de igual modo, a de todos os crentes de hoje. O propósito supremo da volta do Senhor é ter os crentes com Ele para sempre. (2) A expressão “vos levarei para mim mesmo” fala da esperança futura de todos os crentes vivos naquele momento, quando então serão “arrebatados juntamente com eles nas nuvens a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor” (1 Ts 4.17). (3) A vinda de CRISTO para buscar os seus fiéis, livra-los-á da futura “hora da provação” que sobrevirá ao mundo (ver Lc 2.36-38; Ap 3.10; 1 Ts 1.10; 5.9)

Lc 17.34-36 Nós seremos tomados pelo Senhor
34 Digo-vos que naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e o outro será deixado. 35 Duas estarão juntas, moendo; uma será tomada, e a outra será deixada. 36 Dois estarão no campo; um será tomado, e o outro será deixado.
Mt 24.40 24 SERÁ LEVADO UM, E DEIXADO O OUTRO. A declaração de CRISTO, de que será levado um, e deixado o outro , precede sua exortação aos santos da igreja (vv. 42-44). Portanto, as palavras será levado um, e deixado o outro provavelmente referem-se aos santos da igreja, tirados dentre os ímpios no arrebatamento (ver Jo 14.3) JESUS ressalta o elemento surpresa, para os crentes da igreja (ver v. 37)

1 Co 15.51,52 Nós seremos transformados
51Eis que vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, 52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao soar a última trombeta. Pois a trombeta soará, e os mortos ressurgirão incorruptíveis, e nós seremos transformados.
15.35-54 COMO RESSUSCITARÃO OS MORTOS? Paulo começa aqui uma exposição da doutrina da ressurreição dos mortos em seus detalhes.
15.51 UM MISTÉRIO. O mistério que Paulo revela é que quando CRISTO voltar do céu para buscar a sua igreja, os crentes que ainda estiverem vivos na terra terão seus corpos em um instante transformados, feitos imperecíveis e imortais (ver Jo 14.3)
15.51 NEM TODOS DORMIREMOS. O emprego que Paulo faz de “nós”, indica que ele esposava a perspectiva do NT, i.e., de CRISTO vir buscar os fiéis ainda naquela geração. Embora CRISTO não tenha voltado durante a vida de Paulo, este não estava confundido. O apóstolo tinha razão ao crer assim, porque sabia que CRISTO poderia voltar a qualquer momento. Todos aqueles que esperam a volta de CRISTO, durante a sua vida aqui, crêem da mesma forma. As palavras de JESUS e a totalidade do NT conclamam todo crente a crer que estamos na última hora, e, que ele deve viver na esperança que CRISTO voltará durante a sua vida (cf. 1.7,8; Rm 13.12; Fp 3.20; 1 Ts 1.10; 4.15-17; Tt 2.13; Tg 5.8-9; 1 Jo 2.18,28; Ap 22.7,12,20; ver Mt 24.42,44; Lc 12.35). Logo, aqueles que não o aguardam já nesta vida, não estão vivendo de conformidade com o padrão apostólico.

15.52 SEREMOS TRANSFORMADOS.
A RESSURREIÇÃO DO CORPO – 1Co 15.35 “Mas alguém dirá: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão?”
A ressurreição do corpo é uma doutrina fundamental das Escrituras. Refere-se ao ato de DEUS, de ressuscitar dentre os mortos o corpo do salvo e reuni-lo à sua alma e espírito, dos quais esse corpo esteve separado entre a morte e a ressurreição.
(1) A Bíblia revela pelo menos três razões por que a ressurreição do corpo é necessária. (a) O corpo é parte essencial da total personalidade do homem; o ser humano é incompleto sem o corpo. Por conseguinte, a redenção que CRISTO oferece abrange a pessoa total, inclusive o corpo (Rm 8.18-25). (b) O corpo é o templo do ESPÍRITO SANTO (6.19); na ressurreição, ele voltará a ser templo do ESPÍRITO. (c) Para desfazer o resultado do pecado em todas as áreas, o derradeiro inimigo do homem (a morte do corpo) deve ser aniquilado pela ressurreição (15.26).

(2) Tanto as Escrituras do AT (cf. Hb 11.17-19 com Gn 22.1-4; Sl 16.10 com At 2.24ss; Jó 19.25-27; Is 26.19; Dn 12.2; Os 13.14), como as Escrituras do NT (Lc 14.13,14; 20.35,36; Jo 5.21,28,29; 6.39,40,44,54; Co 15.22,23; Fp 3.11; 1Ts 4.14-16; Ap 20.4-6,13) ensinam a ressurreição futura do corpo.

(3) Nossa ressurreição corporal está garantida pela ressurreição de CRISTO (ver Mt 28.6; At 17.31; 1Co 15.12,20-23).

(4) Em termos gerais, o corpo ressurreto do crente será semelhante ao corpo ressurreto de Nosso Senhor (Rm 8.29; 1Co 15.20,42-44,49; Fp 3.20,21; 1Jo 3.2). Mais especificamente, o corpo ressurreto será: (a) um corpo que terá continuidade e identidade com o corpo atual e que, portanto, será reconhecível (Lc 16.19-31); (b) um corpo transformado em corpo celestial, apropriado para o novo céu e a nova terra (15.42-44,47,48; Ap 21.1); (c) um corpo imperecível, não sujeito à deterioração e à morte (15.42); (d) um corpo glorificado, como o de CRISTO (15.43; Fp 3.20,21); (e) um corpo poderoso, não sujeito às enfermidades, nem à fraqueza (15.43); (f) um corpo espiritual (i.e., não natural, mas sobrenatural), não limitado pelas leis da natureza (Lc 24.31; Jo 20.19; 1Co 15.44); (g) um corpo capaz de comer e beber (Lc 14.15; 22.16-18,30; 24.43; At 10.41).

(5) Quando os crentes receberem seu novo corpo se revestirão da imortalidade (15.53). As Escrituras indicam pelo menos três propósitos nisso: (a) para que os crentes venham a ser tudo quanto DEUS pretendeu para o ser humano, quando o criou (cf. 2.9); (b) para que os crentes venham a conhecer a DEUS de modo completo, conforme Ele quer que eles o conheçam (Jo 17.3); (c) a fim de que DEUS expresse o seu amor aos seus filhos, conforme Ele deseja (Jo 3.16; Ef 2.7; 1Jo 4.8-16).

6) Os fiéis que estiverem vivos na volta de CRISTO, para buscar os seus, experimentarão a mesma transformação dos que morrerem em CRISTO antes do dia da ressurreição deles (15.51-54). Receberão novos corpos, idênticos aos dos ressurretos nesse momento da volta de CRISTO. Nunca mais experimentarão a morte física.

(7) JESUS fala de uma ressurreição da vida, para o crente, e de uma ressurreição de juízo, para o ímpio (Jo 5.28,29).

Lc 20.34-36 Nós seremos iguais aos anjos
34 Respondeu-lhes JESUS: Os filhos deste mundo casam-se e dão-se em casamento.35 Mas os que forem havidos por dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, não hão de se casar, nem ser dados em casamento, 36 e não podem mais morrer; pois são como os anjos, e são filhos de DEUS, sendo filhos da ressurreição.
IGUAIS AOS ANJOS. Sobre a vida do crente no futuro, JESUS revela que ela começa com a ressurreição dentre os mortos; e que ela inclui um corpo glorificado que nunca morrerá, porém não inclui relacionamentos terrenos como o casamento. Isto não quer dizer que os crentes não conhecerão uns aos outros. JESUS, depois da sua ressurreição, foi reconhecido por seus discípulos (24.31-39; Mt 28.9).

1 Jo 3.2 Nós seremos semelhantes a CRISTO
2 Amados, agora somos filhos de DEUS, e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque assim como é, o veremos.
Gl 4.6 O ESPÍRITO… QUE CLAMA: ABA, PAI. Uma das tarefas do ESPÍRITO SANTO é criar no filho de DEUS a convicção da filiação e de amor filial que o leva a conhecer a DEUS como Pai. (1) O termo “Aba” é aramaico e significa “Pai”. Era a palavra que JESUS empregava quando se referia ao Pai celestial. A combinação da palavra aramaica Abba com a palavra grega que significa “Pai” (gr. pater), expressa a grande intimidade, a profunda emoção, o anelo, o afeto e a confiança mediante os quais o ESPÍRITO SANTO nos leva a clamar a DEUS (cf. Mc 14.36; Rm 8.15,26,27). Dois sinais determinantes da obra do ESPÍRITO dentro de nós são o nosso apelo espontâneo a DEUS como “Pai” e a nossa obediência espontânea a JESUS como “Senhor” (ver 1 Co 12.3). (2) Nesta passagem, Paulo teria em mente, sobretudo, o batismo no ESPÍRITO SANTO e sua plenitude contínua (cf. At 1.5; 2.4; Ef 5.18), pois define nossa filiação com DEUS como a causa do envio do ESPÍRITO a nós por já sermos “filhos” pela fé em CRISTO. E DEUS derrama o ESPÍRITO em nossos corações! A “adoção de filhos” (v. 5) precede o envio do ESPÍRITO do Filho de DEUS (ver 3.5).

I TESSALONICENSES 4.13-18
13 Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. 14 Cremos que JESUS morreu e ressurgiu, assim também cremos que aos que dormem em JESUS, DEUS os tornará a trazer com ele.15 Dizemo-vos isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. 16 Pois o mesmo Senhor descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de DEUS, e os que morreram em CRISTO ressurgirão primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor. 18 Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.
4.13 ACERCA DOS QUE JÁ DORMEM. Esta expressão refere-se aos crentes que já tinham morrido e cujas almas estavam no céu; não significa que os mortos estejam inconscientes, como num tipo de sono da alma (cf. Fp 1.21). Os tessalonicenses não compreendiam o nexo entre a ressurreição dos cristãos falecidos e o arrebatamento dos vivos (ver Jo 14.3). Ao que parece, eles acreditavam que os mortos ressuscitaria, mas muitos depois da vinda de CRISTO (vv. 16, 17). Paulo lhes informa que os mortos em CRISTO ressuscitarão na mesma ocasião em que o Senhor voltar para buscar a sua igreja.
4.14-18 A VINDA DO SENHOR. O evento descrito por Paulo nestes versículos é freqüentemente chamado “o arrebatamento da igreja”.
4.18 CONSOLAI-VOS UNS AOS OUTROS. Paulo inspira esperança nos tessalonicenses, não lhes dizendo que se preparem para o martírio durante o período do “Dia do Senhor” (5.2-10), i.e., a tribulação (Ap 6.19), mas mediante a mensagem sobre o arrebatamento.
14-17; Jo 14.3; 1 Co 15.51-58). Mediante o conhecimento dessa doutrina, poderão consolar uns aos outros.

Introdução
O Arrebatamento é o divisor de épocas na história do povo cristão na terra.
Assim como o Dilúvio, A Torre de Babel, A chamada de Abraão, O reinado de Davi, A vinda de JESUS (sua morte e ressurreição); assim também o Arrebatamento marca a introdução ao fim da existência humana sobre a terra, pois logo após o Arrebatamento vem a Grande Tribulação, depois o Milênio e depois o Juízo Final e o fim de todas as coisas que hoje existem na terra.
O Arrebatamento pré-tribulacional ensina que, antes do período de sete anos conhecido como Tribulação, todos os membros do corpo de CRISTO (tanto os vivos quanto os mortos) serão arrebatados nos ares para o encontro com JESUS CRISTO e depois serão levados ao céu.
Assim como temos a.C. e d.C., a humanidadae será dividida entre o a.A, e o d.A – antes e depois do arrebatamento. Tudo será diferente sem o povo de DEUS e sem o ESPÍRITO SANTO. Trevas densas esperam a humanidade neste período de grande tribulação tal qual nunca houve.

I. A VOLTA DO SENHOR JESUS
1. Sentido literal.
O termo “arrebatamento” deriva da palavra raptus em latim, que significa “arrebatado rapidamente e com força”. O termo latino raptus equivale a harpazo em grego, traduzido por “arrebatado” em 4.17. Esse evento, descrito aqui e em 1Co 15, refere-se à ocasião em que a igreja do Senhor será arrebatada da terra para encontrar-se com Ele nos ares. O arrebatamento abrange apenas os salvos em CRISTO.
ESTUDO DE PALAVRAS ESCRITAS NA LÍNGUA GREGA
a)Optomai – ( aparecer ) aparecerá pela segunda vez ( Hb 9:28 )
b)Ercomai – ( vir ) virei outra vez ( Jo 14:3 )
c)Epphanos – ( aparição ) aparição de Nosso Senhor ( I Tm 6:14 )
d)Apokalypsi – ( revelação, desvendamento ) manifestação ( I Co 1:7 )
e)Parousia – ( presença e ou vinda ) vinda ou retorno ( II Ts 2:8 )

ARREBATAMENTO – Tirar com violência ou força, arrancar, levar, desprender de um ímpeto, extasiar. ( Aurélio , Buarque de Holanda Ferreira ) .
Gramaticalmente temos a idéia que arrebatamento é uma ação conjunta, rápida e de forma precisa e violenta, eis a razão que o Apóstolo Paulo nos ensina que será tão rápido como um abrir e fechar de olhos.

2. Definição bíblico-teológica.
O ensino do Arrebatamento é mais claramente apresentado em 1 Tessalonicenses 4.13-18. Nessa passagem Paulo informa seus leitores de que os crentes que estiverem vivos por ocasião do Arrebatamento serão reunidos aos que morreram em CRISTO antes deles. No versículo 17 a palavra “arrebatados” traduz a palavra grega harpazo, que significa “dominar por meio de força” ou “capturar”. Essa palavra é usada 14 vezes no Novo Testamento Grego de várias maneiras diferentes.
Ocasionalmente o Novo Testamento usa harpazo com o sentido de “roubar”, “arrastar” ou “carregar para longe” (Mateus 12.29; João 10.12). Também pode ser usada com o sentido de “levar embora com uso de força” (João 6.15; 10.28-29; Atos 23.10; Judas 23). No entanto, para nossos propósitos, um terceiro uso é mais significativo. Diz respeito ao ESPÍRITO SANTO levando alguém de um lugar para outro. Encontramos esse uso em quatro ocorrências (Atos 8.39; 2 Coríntios 12.2, 4; 1 Tessalonicenses 4.17; Apocalipse 12.5).[2]
Esse último uso é ilustrado em Atos 8.39, quando Filipe, ao completar o batismo do oficial etíope, é “arrebatado” e divinamente transportado do deserto até a cidade costeira de Azoto. De modo semelhante, a Igreja será, num momento, levada da terra ao céu. Não deve-se estranhar, portanto, que um autor contemporâneo tenha chamado esse evento peculiar de “O Grande Seqüestro”.[…]

II. QUANDO SE DARÁ O ARREBATAMENTO DA IGREJA
1. O tempo do arrebatamento.
Da palavra Atomô (grego)
do Lat. atomu < Gr. átomos, indivisível s. m., a mais pequena partícula que se pode obter da divisão de um elemento, sendo ainda capaz de exibir propriedades desse mesmo elemento e que pode participar numa reacção química; corpúsculo; porção mínima; curto espaço; (no pl. ) corpúsculos que se vêem no ar quando, num recinto escuro, são banhados por uma réstea de luz. 2. Prenúncios do arrebatamento. Novo Testamento: • 1 Coríntios 1.7 – "...aguardando vós a revelação de nosso Senhor JESUS CRISTO". • 1 Coríntios 16.22 – "Maranata!" • Filipenses 3.20 – "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor JESUS CRISTO". • Filipenses 4.5 – "Perto está o Senhor". • 1 Tessalonicenses 1.10 – "e para aguardardes dos céus o Seu Filho...". • 1 Tessalonicenses 4.15-18 – "Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de DEUS, descerá dos céus, e os mortos em CRISTO ressuscitarão primeiro; depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras". • 1 Tessalonicenses 5.6 – "Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios". • 1 Timóteo 6.14 – "que guardes o mandato imaculado, irrepreensível, até à manifestação de nosso Senhor JESUS CRISTO". • Tito 2.13 – "aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande DEUS e Salvador CRISTO JESUS". • Hebreus 9.28 – "assim também CRISTO, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação". • Tiago 5.7-9 – "Sede, pois, irmãos, pacientes, até a vinda do Senhor... pois a vinda do Senhor está próxima... Eis que o Juiz está às portas". • 1 Pedro 1.13 – "Por isso,... sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de JESUS CRISTO". • Judas 21 – "guardai-vos no amor de DEUS, esperando a misericórdia de nosso Senhor JESUS CRISTO, para a vida eterna". • Apocalipse 3.11; 22.7, 12, 20 – "Eis que venho sem demora!" • Apocalipse 22.17, 20 – "O ESPÍRITO e a Noiva dizem: Vem. Aquele que ouve diga: Vem. Aquele que dá testemunho destas cousas diz: Certamente venho sem demora. Amém. Vem, Senhor JESUS!" A Igreja primitiva tinha uma saudação especial que os crentes só usavam entre si, conforme registrado em 1 Coríntios 16.22: a palavra "Maranata!" Esta palavra é constituída de três termos aramaicos: Mar ("Senhor"), ana ("nosso"), e tha ("vem"), significando, assim, "Vem, nosso Senhor!" Como outras passagens do Novo Testamento, "Maranata" só faz sentido se uma vinda iminente, ou seja, a qualquer momento, for pressuposta. Isso também serve de apoio à posição pré-tribulacionista. III. COMO SE DARÁ O ARREBATAMENTO DA IGREJA
De acordo com a Primeira Epístola de Paulo aos Tessalonicenses, o arrebatamento da Igreja de CRISTO dar-se-á da seguinte forma:
1. Ressoada a trombeta de DEUS, descerá o Senhor JESUS dos céus com alarido e voz do arcanjo (1 Ts 4.16).
2. Em seguida, os que morreram em CRISTO ressuscitarão, sendo, de imediato, trasladados (1 Ts 4.16).
3. Ato contínuo, os que estivermos vivos seremos transformados, arrebatados e levados todos ao encontro do Senhor (1Ts 4.17).

O ARREBATAMENTO DA IGREJA (BEP- CPAD)
1Ts 4.16,17 “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de DEUS; e os que morreram em CRISTO ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.”

O termo “arrebatamento” deriva da palavra raptus em latim, que significa “arrebatado rapidamente e com força”. O termo latino raptus equivale a harpazo em grego, traduzido por “arrebatado” em 4.17. Esse evento, descrito aqui e em 1Co 15, refere-se à ocasião em que a igreja do Senhor será arrebatada da terra para encontrar-se com Ele nos ares. O arrebatamento abrange apenas os salvos em CRISTO.
(1) Instantes antes do arrebatamento, ao descer CRISTO do céu para buscar a sua igreja, ocorrerá a ressurreição dos “que morreram em CRISTO” (4.16). Não se trata da mesma ressurreição referida em Ap 20.4, a qual somente ocorrerá depois de CRISTO voltar à terra, julgar os ímpios e prender Satanás (Ap 19.11—20.3). A ressurreição de Ap 20.4 tem a ver com os mártires da tribulação e possivelmente com os santos do AT (ver Ap 20.6).
(2) Ao mesmo tempo que ocorre a ressurreição dos mortos em CRISTO, os crentes vivos serão transformados; seus corpos se revestirão de imortalidade (1Co 15.51,53). Isso acontecerá num instante, “num abrir e fechar de olhos” (1Co 15.52).
(3) Tanto os crentes ressurretos como os que acabaram de ser transformados serão “arrebatados juntamente” (4.17) para encontrar-se com CRISTO nos ares, ou seja: na atmosfera entre a terra e o céu.
(4) Estarão literalmente unidos com CRISTO (4.16,17), levados à casa do Pai, no céu (ver Jo 14.2,3), e reunidos aos queridos que tinham morrido (4.13-18).
(5) Estarão livres de todas as aflições (2Co 5.2,4; Fp 3.21), de toda perseguição e opressão (ver Ap 3.10), de todo domínio do pecado e da morte (1Co 15.51-56); o arrebatamento os livra da “ira futura” (ver 1.10; 5.9), ou seja: da grande tribulação.
(6) A esperança de que nosso Salvador logo voltará para nos tirar do mundo, a fim de estarmos “sempre com o Senhor” (4.17), é a bem-aventurada esperança de todos os redimidos (Tt 2.13). É fonte principal de consolo para os crentes que sofrem (4.17,18; 5.10).
(7) Paulo emprega o pronome “nós” em 4.17 por saber que a volta do Senhor poderia acontecer naquele período, e comunica aos tessalonicenses essa mesma esperança. A Bíblia insiste que anelemos e esperemos contínua e confiadamente a volta do nosso Senhor (cf. Rm 13.11; 1Co 15.51,52; Ap 22.12,20).
(8) Quem está na igreja mas não abandona o pecado e o mal, sendo assim infiel a CRISTO, será deixado aqui, no arrebatamento (ver Mt 25.1; Lc 12.45). Os tais ficarão neste mundo e farão parte da igreja apóstata (ver Ap 17.1),
sujeitos à ira de DEUS.
(9) Depois do arrebatamento, virá o Dia do Senhor, um tempo de sofrimento e ira sobre os ímpios (5.2-10; ver 5.2). Seguir-se-á a segunda fase da vinda de CRISTO, quando, então, Ele virá para julgar os ímpios e reinar sobre a terra (ver Mt 24.42,44).

A VOLTA DO SENHOR JESUS é certa e é usado um termo para nossa saída da terra para o céu, ao encontro do Senhor nos ares, este termo é “Arrebatamento” e tem o Sentido literal que deriva da palavra raptus em latim, que significa “arrebatado rapidamente e com força”. O termo latino raptus equivale a
harpazo em grego, traduzido por “arrebatado” em 4.17. Esse evento, é descrito aqui em 1Co 15 e refere-se à ocasião em que a igreja do Senhor será arrebatada da terra para encontrar-se com Ele nos ares. O arrebatamento abrange apenas os salvos em CRISTO.
QUANDO SE DARÁ O ARREBATAMENTO DA IGREJA? O tempo do arrebatamento é super rápido, denominado de Atomô no grego que significa espaço de tempo infinitamente pequeno (figurado pelo piscar do olho). Existem prenúncios do arrebatamento e vinda de CRISTO como Ele mesmo citou: Guerras, rumores de guerra, fomes, pestes, tremores de terra, convulsões sociais, imoralidade e apostasia.
COMO SE DARÁ O ARREBATAMENTO DA IGREJA?
1. Ressoada a trombeta de DEUS, descerá o Senhor JESUS dos céus com alarido e voz do arcanjo (1 Ts 4.16).
2. Em seguida, os que morreram em CRISTO ressuscitarão, sendo, de imediato, trasladados (1 Ts 4.16).
3. Ato contínuo, os que estivermos vivos seremos transformados, arrebatados e levados todos ao encontro do Senhor (1Ts 4.17).
Pergunta para cada um de nós: Estamos prontos?

ARREBATAMENTO (A ESPERANÇA DA IGREJA) – RESUMO
“Os teus olhos verão o Rei na sua formosura, e verão a terra que está longe…”(Is 33.17).
O maior acontecimento da história está preste a ocorrer – A Segunda Vinda ou a volta do Senhor JESUS a este mundo.
O próprio Senhor JESUS CRISTO falou a respeito de Sua vinda:
“Na casa de meu Pai há muitas moradas;… e, quando eu for, e vos preparar lugar; virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.(Jo 14.3)
“Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós” (Jo 14.18). Ele mesmo disse que viria, e não há razão para duvidarmos, Ele nunca cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano (I Pe 2.22). Ele é o próprio DEUS. “Outra vez vos verei” disse Ele “e o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará. E naquele dia (o do arrebatamento) nada me perguntareis”.(Jo 16.22,23 a). Isso Ele disse, tamanha será a alegria deste momento tão esperado e anelado por todos nós.
Os anjos confirmaram a Sua vinda no momento de sua ascensão aos Céus, dizendo: “… Esse JESUS, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir”.(Atos 1.11 b). Que Ele vem, isto é certo, mas…COMO E QUANDO ACONTECERÁ?

O apóstolo Paulo em sua 1ª Epístola aos crentes de Corinto, nos revela um grande mistério: “Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão, e nós seremos transformados”.(I Cor 15.51-54)
Que revelação extraordinária, na vinda do Senhor, nossos corpos serão transformados e receberemos um corpo glorioso semelhante ao de JESUS, pois “… quando ele se manifestar seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos”.(I Jo 3.2 b) “porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade” (I Cor 15.53) “… Então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória”.
Todos os cristãos serão vivificados em CRISTO. Mas cada um por sua ordem: CRISTO, as primícias, depois os que são de CRISTO, na sua vinda (I Cor 15.23).
Muitas pessoas só têm se preocupado com os cuidados e afazeres desta vida, mas é necessário buscar primeiro o reino de DEUS e a sua justiça, e todas as demais coisas nos serão acrescentadas (Mt 6.33). As coisas inerentes a DEUS devem ter prioridade em nossas vidas, pois “a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor JESUS CRISTO, que transformará o nosso corpo abatido para ser conforme o seu corpo glorioso…” (Fp 3.20,21 a).

Em sua 1ª Epístola aos Tessalonicenses, Paulo torna a falar acerca da ressurreição e vinda de CRISTO:
“Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do senhor: Que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido e com voz de arcanjo e com a trombeta de DEUS; e os que morreram em CRISTO ressuscitarão primeiro; depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor”.(I Tes 4.15-17)
Imagine isso! De todos os confins da terra pessoas serão arrebatadas dentre as massas humanas, mas todas irão numa só direção: ao encontro de JESUS nos ares. Para o mundo será um mistério quando num momento, em meio as mais diferentes e costumeiras atividades cotidianas, multidões desaparecerão da terra de maneira sobrenatural e misteriosa.
Esse acontecimento passará desapercebido para muitos. Só depois é que irão dar falta, quando a imprensa falada e escrita, através dos meios de comunicação, noticiar o desaparecimento de milhões de pessoas em todo o globo terrestre.

Com certeza, o caos e o pânico tomarão conta do planeta terra. Haverá tristeza e pranto. Angústia e desespero pela falta de parentes. Uma grande expectativa tomará conta de todos. Virão escarnecedores e enganarão o povo. Levantar-se-á a hipótese de terem sido discos voadores, mas os muitos milhões de desviados saberão que foi CRISTO que voltou e levou Sua Igreja para o céu. Mas será tarde demais, o Senhor já terá levado os seus remidos; seremos arrebatados repentinamente, num momento terá acontecido, antes que se perceba.
Nós o esperamos todos os dias, porque sabemos como será, mas não podemos dizer exatamente quando será “por isso estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis”.(Mt 24.44)
Há quase 2.011 anos veio humilde, montado num jumentinho. Não tinha onde reclinar a cabeça; veio como servo veio para servir. Agora virá como Rei. Rei dos reis e Senhor dos senhores, com poder e grande glória.
É bom frisar e deixar bem claro que a 2ª Vinda de CRISTO abrange duas fases distintas: Na primeira Ele virá nas nuvens para arrebatar a Sua Igreja. A Segunda fase se refere à manifestação visível e pessoal de JESUS, no final da Grande Tribulação, quando Ele assombrará o mundo com o seu poder e o resplendor de Sua presença. Então julgará as nações e estabelecerá o Milênio na terra.
No dia do arrebatamento acontecerão grandes acidentes – Carros desgovernados, aviões, trens, metrô, fogões ficarão acesos, tudo o que tem controle do homem estará sem controle se a pessoa que a dirigia era um crente salvo, pois foi arrebatado.

TODOS VÃO RESSUSCITAR
Jo 11.25- Disse-lhe JESUS: “Eu Sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”.
Em Daniel 12.2 e João 5.28,29; vemos que uns ressuscitarão para a vida eterna e outros para vergonha e desprezo eterno, mostrando-nos claramente que:
1- Todos vão Ressuscitar, declaração essa contrária à doutrina que muitos pregam dizendo que quando morremos se acabou tudo;
2- Haverá dois tipos de ressurreição, uns para a vida eterna e outros para a vergonha e desprezo eterno (vão ver os salvos gozando da companhia de DEUS e não vão poder desfrutar);
3- O destino de cada um é de acordo com o que creram e fizeram, enquanto estavam vivos e aqui na terra;
4- Haverá duas ressurreições, separadas por mil anos (Ap 20.5,6; 1 Ts 4.16)

A RESSURREIÇÃO DE JESUS É O ALICERCE DA FÉ CRISTÃ. A ressurreição é a chave para a fé cristã. Porque?
(1) Como ele havia prometido, ele ressurgiu dos mortos. Nós podemos estar confiantes, portanto, que ele cumprirá tudo que ele prometeu.
(2) A ressurreição do corpo nos mostra que o CRISTO vivo é soberano no reino eterno de DEUS, não um falso profeta ou impostor.
(3) Nós podemos ter certeza de nossa ressurreição porque ele foi ressuscitado. A morte não é o fim, existe a vida após a morte.
(4) O poder que trouxe JESUS de volta a vida está disponível para nós trazermos o nosso ser espiritual morto de volta a vida.
(5) A Ressurreição é à base do testemunho da igreja para o mundo. JESUS é mais que um líder humano, ele é o Filho de DEUS.

A RESSURREIÇÃO DO CORPO (BEP-CPAD)
1Co 15.35 “Mas alguém dirá: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão?”
A ressurreição do corpo é uma doutrina fundamental das Escrituras. Refere-se ao ato de DEUS, de ressuscitar dentre os mortos o corpo do salvo e reuni-lo à sua alma e espírito, dos quais esse corpo esteve separado entre a morte e a ressurreição.
(1) A Bíblia revela pelo menos três razões por que a ressurreição do corpo é necessária.
(a) O corpo é parte essencial da total personalidade do homem; o ser humano é incompleto sem o corpo. Por conseguinte, a redenção que CRISTO oferece abrange a pessoa total, inclusive o corpo (Rm 8.18-25).
(b) O corpo é o templo do ESPÍRITO SANTO (6.19); na ressurreição, ele voltará a ser templo do ESPÍRITO.
(c) Para desfazer o resultado do pecado em todas as áreas, o derradeiro inimigo do homem (a morte do corpo) deve ser aniquilado pela ressurreição (15.26).
(2) Tanto as Escrituras do AT (cf. Hb 11.17-19 com Gn 22.1-4; Sl 16.10 com At 2.24ss; Jó 19.25-27; Is 26.19; Dn 12.2; Os 13.14), como as Escrituras do
NT (Lc 14.13,14; 20.35,36; Jo 5.21,28,29; 6.39,40,44,54; Co 15.22,23; Fp 3.11; 1Ts 4.14-16; Ap 20.4-6,13) ensinam a ressurreição futura do corpo.
(3) Nossa ressurreição corporal está garantida pela ressurreição de CRISTO (ver Mt 28.6; At 17.31; 1Co 15.12,20-23).
(4) Em termos gerais, o corpo ressurreto do crente será semelhante ao corpo ressurreto de Nosso Senhor (Rm 8.29; 1Co 15.20,42-44,49; Fp 3.20,21; 1Jo 3.2). Mais especificamente, o corpo ressurreto será:
(a) um corpo que terá continuidade e identidade com o corpo atual e que, portanto, será reconhecível (Lc 16.19-31);
(b) um corpo transformado em corpo celestial, apropriado para o novo céu e a nova terra (15.42-44,47,48; Ap 21.1);
(c) um corpo imperecível, não sujeito à deterioração e à morte (15.42);
(d) um corpo glorificado, como o de CRISTO (15.43; Fp 3.20,21);
(e) um corpo poderoso, não sujeito às enfermidades, nem à fraqueza (15.43);
(f) um corpo espiritual (i.e., não natural, mas sobrenatural), não limitado pelas leis da natureza (Lc 24.31; Jo 20.19; 1Co 15.44);
(g) um corpo capaz de comer e beber (Lc 14.15; 22.16-18,30; 24.43; At 10.41).
(5) Quando os crentes receberem seu novo corpo se revestirão da imortalidade (15.53). As Escrituras indicam pelo menos três propósitos nisso:
(a) para que os crentes venham a ser tudo quanto DEUS pretendeu para o ser humano, quando o criou (cf. 2.9);
(b) para que os crentes venham a conhecer a DEUS de modo completo, conforme Ele quer que eles o conheçam (Jo 17.3);
(c) a fim de que DEUS expresse o seu amor aos seus filhos, conforme Ele deseja (Jo 3.16; Ef 2.7; 1Jo 4.8-16).
(6) Os fiéis que estiverem vivos na volta de CRISTO, para buscar os seus, experimentarão a mesma transformação dos que morrerem em CRISTO antes do dia da ressurreição deles (15.51-54). Receberão novos corpos, idênticos aos dos ressurretos nesse momento da volta de CRISTO. Nunca mais experimentarão a morte física.
(7) JESUS fala de uma ressurreição da vida, para o crente, e de uma ressurreição de juízo, para o ímpio (Jo 5.28,29).

Como será o corpo da ressurreição?
Respostas corretas são:
a) Visível (Lc 24.39);
b) Incorruptível (1 Co 15.42,54);
c) Palpável (Jo 20.27);
d) Vivificado (Rm 8.11).

Que tipo de ressurreição experimentaram aqueles santos que ressuscitaram quando Jesus expirou sobre a cruz (cfr. Mat. 27:51-53)? Pode-se dizer que eles ressuscitaram em ressurreição de vida eterna?
Aqueles santos que ressuscitaram quando Jesus expirou sobre a cruz experimentaram uma ressurreição como a que experimentou Lázaro depois de estar quatro dias na sepultura. Portanto esta ressurreição corporal é diferente daquela para a vida que será experimentada pelos santos na volta de Cristo e que consiste numa transformação do corpo num corpo imortal e incorruptível.
Alguns ensinam, porém que aqueles santos experimentaram uma ressurreição corporal como a que experimentou Jesus Cristo, mas isso não pode ser absolutamente verdadeiro. Demonstro isso fazendo notar uma evidente contradição em que caem aqueles que afirmam coisa semelhante. Mateus diz: “E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras; e abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; e, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos” (Mt 27.50-53). Nota-se muito bem que antes de tudo os sepulcros se abriram e muitos dos corpos dos santos que dormiam ressuscitaram – QUANDO JESUS MORREU SOBRE A CRUZ. Porque este evento é posto em relação com a sua morte como também o rasgar do véu do templo, o terremoto e o fender das pedras. Assim esses santos ressuscitaram antes de Jesus Cristo porque Jesus ressuscitou três dias depois da sua morte. Ora, se eles tivessem ressuscitado com um corpo imortal isso significaria inequivocamente que Cristo não foi o primeiro homem a ressurgir dentre os mortos com um corpo incorruptível e imortal e, portanto que Ele não é “o primogênito dentre os mortos” (Col. 1.18) ou “as primícias dos que dormem” (I Co 15.20). Como se poderia de fato afirmar que o é, dizendo que esses santos ressuscitaram em ressurreição de vida antes que Jesus ressurgisse dentre os mortos? Fica demonstrado então como é impossível que esses santos tenham experimentado uma ressurreição corporal como a de Cristo e como a que experimentarão os mortos no Senhor na sua vinda. Portanto, o fato desses santos terem ressuscitado antes de Jesus exclui automaticamente que tenham ressuscitado em ressurreição de vida.

O TRIBUNAL DE CRISTO E OS GALARDÕES

“Mas ai das grávidas” (aqui na Terra)
Devemos compreender que haverá um cerco de Jerusalém por parte do anticristo e seus seguidores. Durante este cerco (como foi nos dias de Antíoco Epifânio e nos dias do General Tito) haverá então grande fome e nesse período se repetirá o que já aconteceu antes – as mães comerão seus próprios filhos, pois JESUS disse que essa Grande Tribulação é pior do que todas as outras (Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver.
Mateus 24:21). Mas ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias! porque haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo. Lucas 21:23

Ezequiel: 5. 9. E por causa de todas as tuas abominações farei sem ti o que nunca fiz, e coisas às quais nunca mais farei semelhantes. 10. portanto os pais comerão a seus filhos no meio de ti, e os filhos comerão a seus pais; e executarei em ti juízos, e todos os que restarem de ti, espalhá-los-ei a todos os ventos.
Lamentações de Jeremias: 2. 20. Vê, ó Senhor, e considera a quem assim tens tratado! Acaso comerão as mulheres o fruto de si mesmas, as crianças que trazem nos braços? ou matar-se-á no santuário do Senhor o sacerdote e o profeta?
2 Reis: 6. 28. Contudo o rei lhe perguntou: Que tens? E disse ela: Esta mulher me disse: Dá cá o teu filho, para que hoje o comamos, e amanhã comeremos o meu filho. 29. cozemos, pois, o meu filho e o comemos; e ao outro dia lhe disse eu: Dá cá o teu filho para que o comamos; e ela escondeu o seu filho.
Durante a grande tribulação vai acontecer no cerco de Jerusalém. – Ai das grávidas naquele dia.

PERGUNTAS INTERESSANTES NO GRUPO DO WHATSAPP:
Primeira pergunta: O que vem a ser galardão? Muitos dizem que é pedrinha na coroa, será?
Segunda pergunta: Se o julgamento acontece assim logo após o arrebatamento, os salvos da grande tribulação não terão nenhum galardão?
Terceira pergunta: O que estará acontecendo com a Igreja enquanto a terra estiver passando pela grande tribulação?

Primeira respoosta: COROAS – Galardões?
1) A coroa de glória. “ E, quando aparecer (na sua vinda) O Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória” (1 Pd 5.4).
2) A coroa incorruptível. “ E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível” (1 Co 9.25).
3) A coroa de alegria. “ Portanto, meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e coroa…” (F1 4.1; 1 Ts 2.19,20).
4) A coroa da justiça: “ Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia (diante do tribunal); e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2 Tm 4.8).
5) A coroa da vida. “ Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam” (Tg 1.12; Ap 2.10).

Cumpre-se aqui, portanto, o que diz o profeta Isaías acerca de JESUS: “o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras foram sarados” (Is 53.5b). Isto, aponta claramente para o Calvário, onde JESUS suportou por nós “uma coroa de espinhos” (Jo 19.2) para nos dar o direito de sermos participantes de “uma coroa de glória” . Isso é supremo sacrifício!
JESUS, nosso Senhor, morreu com apenas 33 anos de idade! Depois de ter sofrido “uma eternidade de dores!” Seus inimigos aqui na terra o julgaram digno de “uma coroa de espinhos” . No Céu, porém, o quadro se inverte. E Ele está presentemente “coroado de glória!” (Hb 2.9), etc.

Segunda resposta – Não terão nenhum galardão os que vierem da Grande Tribulação, estão com palmas nas mãos e não galardões.
Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; Apocalipse 7:9

Terceira Resposta – A Igreja estará na Jerusalém celeste, primeiro passando pelo Tribunal de CRISTO e recebendo galardões, depois nas Bodas do Cordeiro (próxima aula).

Tenho para mim que o Tribunal de CRISTO será na Nova Jerusalém.
A segunda vinda de JESUS está vinculada a duas fases – arrebatamento e e vinda em glória, com a igreja, no final da Grande Tribulação. – Então JESUS não voltará ao trono da graça neste período de 7 anos – Onde estaremos com ELE neste período?
NOS ENCONTRAREMOS COM ELE NOS ARES, MAS ONDE ESTAREMOS?
Jo 14.2 Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
A promessa é que só viria depois de preparado o lugar, onde? Na Nova Jerusalém, a celeste. Aqui no arrebatamento durante o tribunal de CRISTO e as bodas do Cordeiro ELE já veio, então já está pronta a morada e o lugar.
A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu DEUS, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu DEUS, e o nome da cidade do meu DEUS, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu DEUS, e também o meu novo nome. Apocalipse 3:12
E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de DEUS descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido. Apocalipse 21:2
E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a grande cidade, a santa Jerusalém, que de DEUS descia do céu. Apocalipse 21:10

Lc 14.14 – E serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos. Fala do arrebatamento e tribunal de CRISTO quando receberemos a recompensa, para quem não sabe o arrebatamento é uma ressurreição, a primeira fase da primeira ressurreição.

2 Coríntios, 5.10. Porque todos nós teremos de comparecer diante do tribunal de CRISTO para sermos julgados. Cada um de nós receberá o que merecer pelas coisas boas ou más que tiver feito através deste corpo terreno.
1 Coríntios, 3.11. Porque ninguém pode colocar qualquer outro alicerce além do que já está posto, que é JESUS CRISTO.12. No entanto, existem vários tipos de materiais que podem ser usados para construir sobre esse alicerce. Alguns usam ouro, prata e pedras preciosas; e outros constroem com madeira, com feno e até mesmo com palha! 13. Está prestes a chegar um tempo de prova, no Dia de CRISTO, para verificar que tipo de material cada construtor usou. O trabalho de cada um será provDeus pelo fogo, para que todos possam ver se ele conserva seu valor ou não, e o que verdadeiramente foi realizado. 14. Então, todo construtor que edificou sobre o alicerce com materiais certos, cujo trabalho permanecer, esse receberá a sua recompensa. 15. Entretanto, se o que alguém construiu queimar-se, ele terá um grande prejuízo. Ele mesmo será salvo, mas como um homem fugindo através duma barreira de chamas.

Três coisas que DEUS fará :
1) trará a luz as coisas ocultas 1 Corintios 3.13,
2) revelará os segredos dos homens romanos 2.16
3) recompensará cada um ( 3.11-15; 2 Corintios 5.10 Mateus 16.27 Apocalipse 22.12

Coroa de justiça, coroa da vida, cora de glória.
Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda. 2 Timóteo 4:8 — Porque, qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória? Porventura não o sois vós também diante de nosso Senhor JESUS CRISTO em sua vinda? 1 Tessalonicenses 2:19 — Bem-aventurado o homem que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. Tiago 1:12
A maioria de tudo o que fazemos vai se perder. veja um político crente – Tudo o que ele faz é para ganhar a eleição – então tudo se queimará.
Pense na surpresa daqueles que estão trabalhando na obra de DEUS por causa de altíssimos salários ou mesmo pelo salário mínimo.

Justificados, Glorificados, Vida eterna
“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na Obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor”(1ª Cor 15 v 58).

E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um
segundo a sua obra. Apocalipse 22:12

Tribunal_Cristo

A Entrega dos Galardões (Escatologia – Doutrina das Últimas Coisas – Severino Pedro da Silva – CPAD)
1. O tribunal de CRISTO
Após o arrebatamento da Igreja por CRISTO, haverá uma “reunião com Ele” num lugar chamado “tribunal” . Paulo fala disso em vários de seus ensinos mas, especifica mente, em três referências exclusivas:
Primeira: ‘ ‘ Mas tu. por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de CRISTO” (Rm 14.10).
Segunda: “ Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de CRISTO, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem. ou mal” (2 Co 5.10).
Terceira: “ A obra de cada um se manifestará: na verdade O dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo” (1 Co 3.13-15). Existem outras possíveis passagens sobre o Tribunal de CRISTO em o Novo Testamento, mas essas são tomadas para exemplificar o sentido do argumento.

a. O que é tribunal? Nos antigos estádios gregos, a assembléia se reunia defronte de uma “plataforma” chamada BÊMA de onde as questões oficiais eram conduzidas.(16)
Esse vocábulo “ bêma” originalmente significava apenas um “ degrau” ; desta idéia passou a indicar uma “ plataforma elevada” , como aquela usada pelos oradores, pelos juizes das competições esportivas, ou mesmo pelos magistrados romanos em seus julgamentos formais. Porém, já o apóstolo Paulo toma o vocábulo “ bêma” para denotar o “ Tribunal de CRISTO” . Essa expressão “ tribunal’ é empregada por onze vezes no Novo Testamento, e nas passagens onde ela figura está sempre ligada a julgamento especial.(17)
1) O tribunal de Pilatos ( l 9). “ E, estando ele (Pilatos) assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele” (Mt 27.19).
2) O tribunal de Herodes. “ E num dia designado, vestindo Herodes as vestes reais, estava assentado no tribunal, e lhes fez uma prática” (At 12.21).
3) O tribunal de Pilatos (2?). “ Ouvindo pois Pilatos este dito, levou JESUS para fora, e assentou-se no tribunal, no lugar chamado Litostrotos, e em hebraico Gabatá” (Jo 19.13).
4) O tribunal de Gálio. (I 9). “ Mas, sendo Gálio procônsul da Acaia, levantaram-se os judeus concordemente contra Paulo, e o levaram ao tribunal, dizendo: Este persuade os homens a servir a DEUS contra a lei” (At 18.12.13).
5) O tribunal de César ( l 9). “ E, não se demorando entre eles mais de dez dias, desceu a Cesaréia; e no dia seguinte assentando-se no tribunal, mandou que trouxessem a Paulo” (At 25.6).
6) O tribunal de Gálio (29). “ E expulsou-os do tribunal. Então todos agarrando Sóstenes, principal da Sinagoga, o feriram…” (At 18.16,17a).
7) O tribunal de César (29). “ Mas Paulo disse: Estou perante o tribunal de César, onde convém que seja julgado: não fiz agravo algum aos judeus,.como tu bem sabes” (At 25.10).
8) O tribunal de Gálio (39). “ Então todos agarraram Sóstenes, principal da Sinagoga, e o feriram diante do tribunal; e a Gálio nada destas coisas o incomodava” (At 18.17).
9) O tribunal de César (39). “ De sorte que, chegando eles aqui juntos, no dia seguinte, sem fazer dilação alguma, assentado no tribunal, mandei que trouxessem o homem” (At 25.17)’.
10) O tribunal de CRISTO “ Porque todos devemos com- parecer ante o tribunal de CRISTO, para que cada um receba segundo O que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal” (2 Co 5.10).
11) O tribunal de DEUS (Edição Revista e Atualizada). “ Tu, porém, por que julgas a teu irmão? e tu, por que desprezas o teu irmão? pois todos compareceremos perante o tribunal de DEUS” (Rm
14.10).
Para uma melhor compreensão do pensamento, o leitor deve observar que as duas referências nos evangelhos indicam o “ tribunal de Pilatos” (Mt 27.19; Jo 19.13); o trecho de Atos 12.21, fala do “ tribunal de Herodes” ; as referências do décimo oitavo capítulo de Atos indicam por três vezes o “ tribunal de Gálio” ; em Atos 25.6,10,17, por três vezes, refere-se ao “ tribunal de César” .
Enquanto que Ro- manos 14.10 e 2 Coríntios 5.10, indicam o “ tribunal de CRISTO e de DEUS” .
b. Nas últimas citações (Rm 14.10 e 2 Co 5.10), Paulo alude ao que acontecerá quando o Redentor congregar os remidos em torno de si, diante do seu tribunal. Haverá ali uma avaliação do que fizemos e não fizemos; mas isso não indica que será um momento de temor, mas de confiança; mais ninguém estará ali presente, a não ser os salvos: ali todos amarão o Redentor e confiarão nele. Os textos e contextos afirmam que, diante do tribunal do Senhor, cada “ um” receberá O louvor ou a censura que merecer. As referências mais explícitas sobre isso são:(18)
Primeiro: Em 2 Coríntios 5.10, onde o que temos “ feito por meio do corpo” será manifestado perante os olhos de todos diante do Tribunal (cf. Hb 4.13, etc…).
Segundo: Em Romanos 14.10, onde nossas relações com nossos irmãos serão examinadas perante o nosso Salvador (cf. Mt 18.10, etc…).
Terceiro: Em 1 Coríntios 3.10-15, onde nosso serviço a DEUS é provado como pelo fogo (cf. Ap 22.12, etc…).

2. Onde será o Tribunal?
Existem muitas divergências entre os comentaristas quanto ao local exato do Tribunal de CRISTO. Alguns têm sugerido que será aqui mesmo na terra. O homem pecou aqui (dizem eles); aqui foi salvo; aqui trabalhou – então aqui deve ser avaliado o seu trabalho (cf. Mt 25.19 e ss). Outros, porém, asseguram que esse julgamento deve ter lugar no Céu e confrontam o Tribunal de CRISTO com o julgamento do grande Trono Branco; apenas o dividem por etapas:
1- o Tribunal; 2- o Juízo das Nações e 3- o Grande Trono Branco (cf. Mt 25.32 e ss; 2 Co 5.10; Ap 20.11 e ss).
Porém, é evidente que essa forma de interpretação deve ser rejeitada de todo. Visto que esses três julgamentos obedecem a uma ordem cronológica bem clara: o Tribunal de CRISTO se dará por ocasião do arrebatamento; o juízo das nações vivas, por ocasião do retorno de CRISTO na sua Parousia (sete anos depois do arrebatamento); e o juízo final, mil anos depois. Um outro grupo diz que terá lugar nos ares, mas não especifica o lugar (cf. 1 Ts 4.17; Ap 22.12). As passagens de Mateus 9.15 e Apocalipse 22.12 nos levam a entender que o Tribunal não será “ dentro do Céu” . Razão por que, na primeira citação JESUS declara que os filhos das bodas (que se dará no Céu: Ap 19.7) não podem andar tristes e, em 1 Coríntios 3.15, lemos que diante do Tribunal isso pode acontecer; na segunda, JESUS declara: “ E eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo (no original virá comigo), para dar a cada um – no tribunal – segundo a sua obra” .
Ora, se essa recompensa fosse feita no Céu, não seria necessário JESUS trazer consigo este galardão. Na antiguidade, os juizes e anciãos de uma nação costumavam julgar seus súditos e suas causas na “ porta da cidade” (Gn 19.1,9; 1 Sm 4.13,18; 2 Sm 15.2). Boaz, chamando o remi- dor, e mais dez testemunhas da cidade de Belém, julgaram a causa de Rute a moabita na “ porta da cidade” de Belém (Rt 4,1,2). E ali, diante desse tribunal, ela recebeu “ . . . O galardão do Senhor DEUS de Israel” (Rt 2.12).
Muitas coisas nas Escrituras foram escritas “para nosso ensino” (Rm 15.4), pois algumas delas são “ .sombras das coisas celestiais” (Hb 8.5), e outras são “figuras das coisas que estão no céu” (Hb 9.23). Se o nosso pensamento é acertado nesta interpretação, é evidente, embora pouco provável que o Tribunal de CRISTO terá lugar ainda nos ares, especialmente na “ porta formosa do Céu” (cf. Ct 2.4; 1 Ts 4.17 etc…).
a. Diante do Tribunal de CRISTO, serão reprovadas as obras e não o obreiro (1 Co 3.13 e ss), pois todo o seu trabalho que tiver feito “ por meio do corpo” será ali avaliado perante a justiça divina.
Porém,’ se fará necessário que a caridade de DEUS esteja ali! A justiça exige que o “bem” seja recompensado e o “mal” punido.(19) Ora, isto não pode realizar-se senão pela sanção (sanção aqui não é condenação) da vida futura; somente esta pode ser rigorosamente justa, uma vez que depende de DEUS, que “ sonda os rins e os corações” . Realmente eficaz, porque ninguém pode escapar-lhe. Nenhum subterfúgio daquele que é culpado (culpado aqui é descuidado).
É necessário uma recompensa baseada na justiça e caridade de DEUS. Esta prova se baseia na justiça de DEUS, que exige que a virtude e O vício (aqui já neste mundo) recebam as sanções que lhes são devidas: recompensa ou punição. Aqui no mundo, as sanções da virtude e do vício são evidentemente insuficientes; muitas vezes mesmo, é O vício que triunfa, e a virtude que fica humilhada. Portanto, é necessária uma recompensa futura através da justiça divina que quer. que cada um seja tratado segundo suas obras, e isso não pode ser feito a não ser com a vida futura.
Mas, se fará necessário, diante do tribunal de CRISTO que a caridade triunfe! E triunfará mesmo! A justiça deve ser temperada pela caridade. É preciso distinguir cuidadosamente a legalidade e a eqüidade (diante do Tribunal de CRISTO isso não é necessário; mas apenas aqui para ser entendido pela mente natural).
b. A prova pelo “ fogo” . No que tange a este fogo, muitas interpretações têm surgido! Mas uma coisa é certa: a onisciência de DEUS ali deve estar presente. Todo nosso trabalho passará “ diante dos olhos” da Trindade Divina (cf. Êx 13.21; At 2.3; Hb 12.29; Ap 1.14; 2.18; 3.2, etc…). A passagem de Apocalipse 4.8 descreve seres viventes como tendo a inteireza da inteligência; são cheios de “ olhos por diante e por detrás” (4.6). Podem tanto ver para a frente como para trás.(20)
O passado e O futuro estão abertos a eles como um livro. Visão interna (olhos por dentro), visão externa (olhos por diante) também lhes pertence. A absoluta visão circundante corresponde a uma infinita visão interior, que expressa a concentração contemplativa, a unidade da onisciência divina. Vigilância! Ora, se estes seres viventes pos- suem tal visão, que diremos nós diante daquele perante quem “ .todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos…?” (Hb 4.13).
Ali, pois, diante da perscrutação desses olhos infinitos que tudo contemplam (Pv 15.3), surgirão duas palavras solenes: “ Aprovados e Reprovados” . “ Este ‘fogo’ diz Speaker,(־’) dura apenas ‘um dia’ ; é futuro, não presente; é destrutivo, não purificador; destrói apenas obras, não pessoas; causa perda e não lucro; destrói apenas o que for falso e não o que for verdadeiro; causa apenas reprovação da obra e não do obreiro” (1 Co 3.13-23).
c. A interpretação errônea. Alguns eruditos ensinam que mesmo os mais fiéis precisam dum processo de purificação antes de se tornarem aptos para entrar na imediata presença de DEUS. Também alguns (não são todos) teólogos protestantes que crêem na doutrina de “ uma vez salvo, salvo para sempre” , embora reconhecendo a palavra divina que diz: “ Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” , concluem que o Tribunal de CRISTO seja uma espécie de “ purgatório” onde os crentes carnais imperfeitos se purifiquem da escória. Esse processo, segundo essa maneira de interpretar O Tribunal, dar-se-á ali. Todavia, não existem nas Escrituras evidências para tal doutrina, e existem muitas evidências contrárias a ela.(2)

3. A recompensa
“ .cada um recebe… ou bem, ou mal” (2 Co 5.10). Muitos comentadores renomados têm tido dificuldades nesta passagem, quando se defrontam com a palavra “ mal” . Porém, é evidente que, a palavra MAL no presente texto não significa “ pecado” . Diante deste Tribunal não haverá nem pecado nem pecador (cf. Lc 20.35,36).
Quando se invoca o sentido profundo da palavra “ pecado” no original hebraico é “ hattã’th” que traduzida para o grego clássico é “ Hamartia” . Porém, na passagem cita- da, a palavra “ mal” #deve ser depreendida do uso que dela faz o profeta Isaías. O uso de “ RA” em Isaías 45.7, onde se diz que DEUS cria o “ mal” , fica esclarecido o seu uso no tempo e no espaço quando vemos que em mais de 450 vezes que esta palavra se encontra no Antigo Testamento, muito poucas vezes ela se refere a DEUS como a causa da coisa realizada, e também veremos que em cada um desses casos o “ mal” mencionado não indica pecado, e, sim, consiste no castigo justo que DEUS impõe sobre aqueles que pecaram.
Não se diz que DEUS criou o pecado deles, mas se diz que Ele trouxe a calamidade e o castigo sobre eles. Esta correção divinamente imposta foi a palavra “ RA” distintamente declarada como uma experiência do mal vinda de DEUS como penalidade, em contraste com o bem que ele concederia em outra situação.(־ )
a. O apóstolo Paulo retoma isso em seus elementos doutrinários, quando diz: “ Agora folgo, não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para O arrependimento; pois fostes contristados segundo DEUS… Por- que a tristeza segundo DEUS opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende…” (2 Co 7.9,10; Hb 12.11). Acreditamos, pois, que o “mal” (rá) em referência seja apenas uma repreensão da parte do Senhor para aqueles que usaram material ou doutrina “ espúria” na sua obra (1 Co 3.13 e ss; 9.17 e ss). Jó entendeu isso muito bem quando disse para sua esposa: “receberemos o bem de DEUS, e não receberíamos O mal? (rá)” (Jó 2.10).
b. O galardão. A palavra “ galardão” tem nas Escrituras diversos sentidos e métodos de aplicação: Para Abraão, o próprio DEUS era o “ .seu grandíssimo galardão” (Gn 15.1). Rute, a moabita, recebeu “ . . . O galardão do Senhor DEUS de Israel” (Rt 2.12). No estudo em foco, devemos traduzir a palavra “galardão” (misthapodosia) por “ recompensa” (misthos). Este termo nasceu da vida comercial, e originalmente denotava o pagamento feito a um trabalhador, mas desde os tempos helenísticos também se usava em contextos religiosos.(4־) Havia, por outro lado, um outro verbo que expressava O significado do pensamento: “opsõnion”, que era tirado dos círculos militares, e significava as rações do soldado e, depois, O pagamento pelo ser- viço militar e, finalmente, o salário de um oficial do governo. Porém, como o grego é bastante rico nesse sentido, usava-se também outra palavra com sentido mais lato: “ kerdos” ; “ kerdos” trazia a idéia de “lucro” , “ vantagem” , “ ganho” , etc.
Para alguns esse “ galardão” ou “ recompensa” , trata- se de “ coroas” que receberemos da parte do Senhor. Os atletas do passado recebiam após as competições, suas “ coroas de louro” ou “ coroas da vitória” . Como sinal de haverem alcançado o “ prêmio” . Paulo fala disso em 1 Coríntios 9.24 e, depois, faz uma exortação: “ .Correi de tal maneira que o alcanceis” .
c. O argumento de Paulo parte do menor para o maior. Se os homens dão tão elevado valor às honrarias e coroas, que por si mesmas se revestem de tão pouca importância e valor, quanto mais devem os cristãos se esforçar e prezar aquelas coroas espirituais que nunca haverão de perecer, dotadas de valor infinito, que transcendem a tudo quanto é terreno e físico!
Se um homem é capaz de treinar tão diligentemente, de sofrer tantas privações, de agonizar física e mentalmente para um acontecimento que ocupará um único dia, sabendo que a competição será intensa e que as chances de ele sair vencedor não são grandes, quanto mais (diz Paulo) os cristãos devem dispor-se, deixando de lado todos os pra- zeres e ocupações inúteis, a fim de alcançarem a “incorruptível coroa de glória” .
Na posição de corredor, ele corria com um alvo defini- do. Na qualidade de lutador, tinha um oponente. Em outras palavras, ele tinha um alvo, uma vitória a conquistar. Então ele passa agora seu exemplo para seus leitores: “ Se- de meus imitadores, como também eu de CRISTO” .
1) A coroa de glória. “ E, quando aparecer (na sua vinda) O Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória” (1 Pd 5.4).
2) A coroa incorruptível. “ E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível” (1 Co 9.25).
3) A coroa de alegria. “ Portanto, meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e coroa…” (F1 4.1; 1 Ts 2.19,20).
4) A coroa da justiça: “ Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia (diante do tribunal); e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2 Tm 4.8).
5) A coroa da vida. “ Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a co- roa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam” (Tg 1.12; Ap 2.10).
Cumpre-se aqui, portanto, o que diz o profeta Isaías acerca de JESUS: “ .o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras foram sarados” (Is 53.5b). Isto, aponta claramente para o Calvário, onde JESUS suportou por nós “ uma coroa de espinhos” (Jo 19.2) para nos dar o direito de sermos participantes de “ uma coroa de glória” . Isso é supremo sacrifício!
JESUS, nosso Senhor, morreu com apenas 33 anos de idade! Depois de ter sofrido “ uma eternidade de dores!” Seus inimigos aqui na terra o julgaram digno de “ uma coroa de espinhos” . No Céu, porém, o quadro se inverte. E Ele está presentemente “ coroado de glória!” (Hb 2.9), etc.

AS BODAS DO CORDEIRO

BODAS DO CORDEIRO

A Celebração das Bodas (Escatologia – Doutrina das Últimas Coisas – Severino Pedro da Silva)
1. As Bodas do Cordeiro
Após a avaliação de CRISTO das obras de seus servos diante do Tribunal, Ele, então, conduzirá sua Noiva para o Palácio Real, onde se encontra “ a sala do Banquete” (Ct 2.4), quando então terão início as Bodas do Cordeiro.
As Bodas do Cordeiro são uma preciosa revelação para os corações de todos os filhos de DEUS. Os anjos, e os santos do Antigo Pacto ali estarão a cantar: “ Regozijemo-nos, e alegremo-nos e demos-lhe glória, porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou” (Ap 19.7).
a. As Escrituras, tanto no Antigo como no Novo Testamento, utilizam-se do casamento, ou mesmo de outra ocasião festiva para simbolizar a glória espiritual finai e a alegria dos fiéis servos de DEUS. Vejamos como as Escrituras são proféticas e se combinam entre si em cada detalhe! Somente depois que o Senhor julgar a grande prostituta, Babilônia, que vem descrita mística e literalmente nos capítulos 17 e 18 do Apocalipse, é que o Senhor apresenta sua esposa, uma virgem pura (2 Co 11.2). No Novo Testamento, isso simboliza, especialmente no Apocalipse, que a Noiva do Cordeiro não deve ser confundida, por uma mulher poliandra (ligada a dois ou mais amaridos).
A interpretação alegórica de Cantares de Salomão retrata DEUS como sendo o Noivo e Marido da nação israelita; e isso tem sido usado pelos intérpretes cristãos para contemplar a Igreja como a “ Noiva de CRISTO” na sua glória futura. O livro de Cantares lembra-nos, sobretudo, do verdadeiro retomo aos primeiros tempos, à juventude da humanidade.(25) Ali aparecem dois nomes que, segundo se diz não expressam a idéia comum apenas de um homem, “ Ish” e aquela que leva seu nome (Isha – Gn 2.23) e sim por Salomão (Shelomo) e Sulamita (Shulamith). O nome que eles trazem prova a necessidade da paz (Shalom) e do perdão divino, para que não haja “ dureza de coração” .
b. As religiões helenistas como as romanas também empregavam esse simbolismo (o simbolismo das Escrituras), considerando a união entre seus adeptos e o salvador-deus como uma espécie de matrimônio sagrado.
“ Os cultos de fertilidade também empregam tal simbolismo” .(26) A parábola das virgens loucas e prudentes pinta o reino dos céus como uma espécie de festa de casamento (Mt 25.1-13). Enquanto que em Marcos 2.19,20, JESUS alude a si mesmo como sendo o “ noivo” , e seus discípulos seriam os convidados. Em João 3.29, João Batista refere-se a JESUS como o noivo. Paulo fez uma aplicação mística e escatológica sobre esse simbolismo, dizendo que ele apresenta os crentes de Coríntios, como uma “ noiva” , a CRISTO (2 Co 11.2). Por ocasião do arrebatamento da Igreja por CRISTO, essa “ noiva” será pura e preparada para o Noivo (Ap 19.7). Assim na presente era, a Igreja é retratada como “ noiva” de CRISTO; no período das bodas, porém, como “ a esposa, a mulher do Cordeiro” .
c. Entre os judeus, as bodas eram celebradas durante sete dias com grande alegria (Jz 14.12,15,17,18). As bodas de Jacó duraram sete dias (Gn 29.27,28). Na simbologia profética das Escrituras Sagradas, isso aponta para as bodas do Cordeiro durante “ sete anos” : JESUS também é judeu e em termos proféticos um dia é que vale um ano (Nm 14.34; Ez 4.6; Jo 4.9).
o Apocalipse descreve o tempo em que a “ noiva se aprontou” . Seu vestido é todo bordado e branqueado no sangue do Cordeiro (SI 45.14; Ap 22.14), pois ninguém pode entrar naquela festa com “ vestidura estranha” (Sf 1.8; Mt 22.11).
Tem sido alegado, diz o doutor Geo Goodman, que não existia o costume de dar vestes nupciais nos banquetes orientais, como bodas, aniversários, etc. Mas alguns textos escriturísticos apoiam que sim; às vezes, se fazia isso constantemente. José apresentou mudas de roupa a seus irmãos (Gn 45.22 e ss); Sansão, no seu casamento, deu trinta mudas de vestidos aos seus companheiros (Jz 14.12), e Geazi pediu a Naamã mudas de roupas para os jovens que vieram da montanha de Efraim, alegando que tinham vindo visitar seu senhor (2 Rs 5.22).

Devemos ter em mente que apenas um homem que entrou no banquete do rei sem as vestes nupciais foi expulso sem misericórdia (Mt 22.11-13). O profeta Sofonias adverte que ninguém deve comparecer naquele dia (por inferência) sem as vestes reais: “ E acontecerá que no dia do sacrifício do Senhor, hei de castigar os príncipes, e os filhos do rei, e todos os que se vestem de vestidura estranha” (Sf 1.8). Evidentemente, essa passagem aponta para o grande dia do Senhor, mas, de certo modo, deve ser aplicada aqui também.
Portanto, prezado leitor, somente as vestes da justiça de CRISTO prevalecerão naquele dia; o mais tudo será rejeitado (Ap 3.18).

2. A Ceia das Bodas
A ceia das bodas do Cordeiro, serão para cumprimento das palavras de nosso Senhor quando se encontrava no “ cenáculo mobiliado e preparado” . Numa expressão e gesto de quem estava dando um “Até breve” a seus discípulos, Ele disse: “ …até aquele (nas bodas) dia em que o beba de novo convosco no reino de meu Pai” (Mt 26.29).
Esta celebração da ceia terá lugar somente no final das bodas (sete anos depois do arrebatamento). Esta ceia será para lembrar a morte de CRISTO! Ela deve ser lembrada aqui e na eternidade. Ela (a ceia) teve lugar “ num cenáculo mobilado e preparado” . Seu início marcou a última noite do ministério terreno do Filho de DEUS (Mt 26.28,29).
Foi a única coisa que o Senhor JESUS “ desejou” fazer nesta vida (Lc 22.15). A páscoa no antigo Pacto e a Ceia no Novo, apontam para uma mesma coisa: a morte de CRISTO! A primeira, estava distante da outra cerca de 1500 anos, e tinha um caráter prospectivo – apontava para a cruz de nosso Senhor; a segunda, a Santa Ceia, tem um caráter retrospectivo – apontando também para a morte do Salvador.

a. A Páscoa judaica encontra seu cumprimento e seu fim na vida, morte e ressurreição de CRISTO. O Cordeiro de DEUS substituiu o Cordeiro pascal, o livramento do jugo egípcio corresponde à libertação da escravidão do pecado. Doravante o corpo de CRISTO nos será dado por nutrição e seu sangue nos guardará contra o malho destruidor do anjo da morte.
Assim CRISTO retorna ao passado e o vivifica através de sua morte a memória da Páscoa. O Passado da morte é dedicado à vida, e a memória é arrebatada pela esperança, nas palavras solenes: “ …CRISTO, nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (1 Co 5.7).

b. A Ceia do Senhor inicia uma nova era e aponta para uma obra já consumada. Podemos observar que “ duas festas uniram-se na celebração do Senhor” .(28) E, nossa lembrança nos levará agora para a tarde sombria que antecipava o “dia da morte” de CRISTO; nesse cenáculo deu-se um acontecimento notável; a festa pascoal foi solenemente encerrada (Lc 22.16-18), e a Santa Ceia instituída com igual solenidade (Compare-se Lucas 22.19-21).
Sobre essa mesa terminou um período e começou outro; CRISTO era o cumprimento de uma ordenança e a consumação da outra. A Páscoa agora tinha servido a seu propósito, porque o Cordeiro que o sacrifício simbolizava ia ser morto no dia seguinte. Por isso foi substituída por uma nova instituição, apresentando a verdadeira realidade do Cristianismo, como a páscoa tinha apresentado a do judaísmo. Mas nosso Senhor falou também de “uma ceia futura” , e agora, seu cumprimento está em foco!

c. O livro do Apocalipse encerra “ sete bem-aventuranças” , e cada uma delas, com significação especial:
1) “ Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo” (Ap 1.3).
2) “ Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o ESPÍRITO para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os sigam” (Ap 14.13).
3) “ Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda os seus vestidos, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas” (Ap 16.15).
4) “ Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de DEUS” (Ap 19.9).
5) “ Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição: sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de DEUS e de CRISTO, e reinarão com ele mil anos” (Ap 20.6).
6) “ Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro” (Ap 22.7).
7) “ Bem-aventurados aqueles que lavam suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas” (Ap 22.14). Todas estas “ bem-aventuranças” recairão sobre aqueles que foram arrebatados por JESUS e a quarta, é específica: para aqueles – os chamados à ceia das bodas do Cordeiro.
d. Ao encerrar a Santa Ceia naquele cenáculo, nosso Senhor falou de uma outra com caráter escatológico, quando disse: “ digo-vos que, desde agora, não bebereis deste fruto da vide até aquele dia (nas bodas) em que o beba de novo convosco no reino de meu Pai” (Mt 26.29).
A ceia do cenáculo marcou o término da missão terrena de JESUS (terrena aqui significa na esfera terrena) e deu início à sua missão celestial (Jo 17.4,11,13). Após a celebração daquela ceia, JESUS “ desceu” para o sombrio vale da batalha; de igual modo, também, após a celebração da ceia das Bodas, ele “ descerá” para o sombrio vale do Armagedom (Ap 19.11 e ss), a fim de terminar com aquela grande guerra e a seguir, estabelecer seu reino milenar. Por
isso se faz necessário que esta 4ª “ bem-aventurança” recaia sobre aqueles que levaram o vitupêrio de CRISTO em qualquer tempo ou lugar.
Escatologia – Doutrina das Últimas Coisas – Severino Pedro da Silva

Usando um princípio pedagógico, que recomenda “partir do conhecido para o desconhecido”, JESUS utiliza a analogia do casamento para apresentar o ensino sobre a iminente vinda de CRISTO a fim de buscar a Sua Igreja. Não podemos esquecer que o casamento do Oriente nos tempos bíblicos acontecia sob padrões e costumes culturais bastante diferentes dos que conhecemos na atualidade.
OBJETIVOS – Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Descrever as características das bodas do Cordeiro.
Dissertar sobre os ingredientes indispensáveis para entrar nas bodas do Cordeiro.
Reconhecer a necessidade de estar preparado para a iminente vinda de CRISTO.

SÍNTESE TEXTUAL
A Igreja é a esposa de CRISTO porque está comprometida com Ele. Com base nesta verdade estudaremos nesta lição a figura máxima da relação entre CRISTO e sua Igreja. Veremos como eram as bodas no Oriente, as condições espirituais da esposa, o tempo de realização das bodas, as suas características e o que representa para entendermos as bodas da Igreja de CRISTO.
ORIENTAÇÃO DIDÁTICA
Da mesma forma que JESUS usou um exemplo da vivência do povo para conduzi-lo ao conhecimento de verdades e acontecimentos espirituais futuros, você, professor, também poderá se valer do mesmo princípio com a classe. Analise a diferença entre o casamento ocidental, hoje, e o casamento oriental dos tempos da Bíblia. Se possível, escreva num quadro-de-giz ou numa folha de papel grande as diferenças citadas pela classe. Este esclarecimento inicial se faz necessário para conduzir a classe aos tempos antigos, pois o casamento moderno não serve para fazer a analogia necessária com as bodas do Cordeiro. Ouça a classe com atenção e gaste alguns minutos com o debate, pois a compreensão desta lição poderá depender disso.

COMENTÁRIO/introdução
A ceia das bodas do Cordeiro é a expressão máxima da relação entre CRISTO e Sua Igreja. E a figura do casamento, do esposo e a esposa, que aparece na Bíblia em várias passagens (Jo 3.29; 2Co 11.2; Ef 5.25-33; Ap 19.7,8; 21.1 — 22.7). O texto de Mateus 25 apresenta uma parábola de JESUS que retrata a história de um casamento, e que oferece dupla interpretação: uma sobre Israel e outra a respeito da Igreja.
I. ANALOGIA CORRETA DA PARÁBOLA
1. Fundo histórico. JESUS ilustrou Seu ensino utilizando-se do costume oriental para o casamento. Depois de feitas as cerimônias religiosas, começava-se a celebração festiva do casamento. A festa podia prolongar-se por vários dias, dependendo das possibilidades do pai da noiva. Nos festejos noturnos, os convidados deviam sempre ter lâmpadas acesas. No caso da história de JESUS, o noivo atrasou. Os convidados deveriam estar devidamente preparados com azeite em suas vasilhas e nas lâmpadas. Qualquer convidado sem lâmpada era considerado um estranho e não podia entrar na festa.
2. Correntes de interpretação. A primeira interpretação diz que as virgens representam o remanescente judeu salvo no período da Grande Tribulação. A segunda distingue os dois grupos como uma representação dos crentes salvos e dos crentes apenas nominais no seio da Igreja, quando da vinda de CRISTO. A terceira interpreta as dez virgens como um todo e, também, cada crente individualmente.
3. Quem são as dez virgens? (Mt 25.1). Não são dez pretendentes do esposo. Nem são dez igrejas cristãs que competem pelo mesmo esposo. São, na verdade, os crentes individualmente que compõem o corpo da Igreja (a esposa do Cordeiro). O número dez não tem um significado dogmático ou doutrinário e, sim, um sentido de inteireza. Representa a noiva na sua inteireza. JESUS via a Igreja como um todo, o corpo invisível em toda a Terra (1Co 12.12,14,27). Ele via, também, a igreja local e visível, isto é, os membros em particular.
4. Por que as palavras “esposo” e “esposa”? No Oriente, o noivado é tão sério quanto o casamento. Na história bíblica a mulher comprometida em noivado era chamada esposa e, apesar de não estar unida fisicamente ao noivo, ela estava obrigada à mesma fidelidade como se estivesse casada (Gn 29.21; Dt 22.23,24; Mt 1.18,19). A Igreja é a esposa de CRISTO porque está comprometida com Ele (Ap 19.7; 21.9; 22.17).

II. AS CONDIÇÕES ESPIRITUAIS DA ESPOSA. (Mt 25.2-5)
1. Duas classes de crentes: os insensatos e os cautelosos. Essas duas classes são uma realidade espiritual na Igreja de CRISTO. São identificadas por JESUS como loucas e prudentes. As loucas representam os cristãos insensatos e alienados espiritualmente. São aqueles cristãos que não agem racionalmente na sua vida de fé, por isso, não sabem o que estão fazendo.
As prudentes representam os cristãos cautelosos e previdentes, que mantêm uma vida de vigilância e espiritualidade.
2. Ingredientes indispensáveis para estar nas bodas. Aquelas virgens tinham vasilhas e lâmpadas (Mt 25.7-9). Mas precisavam, na verdade, ter o principal elemento: o azeite. As loucas não levaram azeite em suas vasilhas, mas as prudentes sim. Estavam devidamente preparadas. Aquelas virgens tinham que ter vestidos brancos de linho fino (Ap 19.8), lavados no precioso sangue do Cordeiro (Ap 7.14). Precisavam de calçados do Evangelho da Paz (Is 52.7; Ef 6.15). Tinham que ter com elas vasilhas para o azeite (Mt 25.4: Ef 5.18) e o próprio azeite (Mt 25.3,4), que é símbolo do ESPÍRITO SANTO.
III. O TEMPO DAS BODAS (Mt 25.6)
1. O sentido do clamor da meia-noite. O texto diz: “Mas à meia-noite, ouviu-se um clamor” (Mt 25.6). Que representa a meia-noite? É o tempo do clímax da esperança da Igreja. É o fim e o princípio de um tempo (dia, dispensação, era). É a hora do silêncio total, quando todos dormem. Pode ser a consumação ou princípio de um novo dia ou tempo. Não é difícil de estabelecer o tempo desse evento. Ele acontecerá entre o arrebatamento da Igreja e a segunda fase da volta de CRISTO à Terra. Ocorrerá, precisamente, logo após o julgamento das obras dos crentes no tribunal de CRISTO, visto que em Ap 19.8, a esposa aparece vestida de linho fino que “são as justiças dos santos”.
2. O Dia de CRISTO (Fp 1.10). Na linguagem escatológica a palavra “dia” é interpretada, literal ou figuradamente, dependendo do seu contexto. Dia pode, então, representar ano, ou seja, um dia igual a um ano, conforme se percebe na profecia de Daniel capítulo 9. Destacamos no contexto bíblico quatro dias (anos, tempos) históricos para a humanidade: o “dia do homem” (1Co 4.3), que compreende o tempo da história da humanidade; o Dia de CRISTO (Fp 1.10), que diz respeito, especialmente, ao tempo de sete anos, nos quais a Igreja estará no céu e, simultaneamente, ocorrerá a Terra a Grande Tribulação; o Dia do Senhor (1Ts 5.2), a manifestação pessoal e visível de CRISTO no final da Grande Tribulação, e durará mil anos (Milênio); e, finalmente, o Dia de DEUS (2 Pe 3.12,13), que é o tempo do Juízo Final e da consumação de todas as coisas, o começo do Reino eterno.
Neste estudo, o Dia de CRISTO abrange três fatos escatológicos especiais, os quais são: o encontro da Igreja com CRISTO nas nuvens (1Co 15.51,52; 1Ts 4.14-17) (para mim na Nova Jerusalém, por enquanto invisível aos olhos humanos – Obs. Ev. Henrique); o tribunal de CRISTO (2Co 5.10; Fp 1.10; 2Co 1.14; Ef 5.27); e, as bodas do Cordeiro (Ap 19.7).
IV. CARACTERÍSTICAS DAS BODAS
1. Lugar das bodas (Ap 19.1; 21.9). Pela ordem normal dos acontecimentos escatológicos, esse evento acontecerá no céu (para mim na Nova Jerusalém, por enquanto invisível aos olhos humanos – Obs. Ev. Henrique). Quando João declarou “ouvi no céu como que uma grande voz de uma grande multidão que dizia: Aleluia!”, ele identificou naturalmente o lugar. Alegria e triunfo pelas vitórias do Cordeiro são demonstradas e, a seguir, surge a noiva do Cordeiro já glorificada, coroada e preparada para o glorioso casamento. Entendemos, então, que o céu (para mim na Nova Jerusalém, por enquanto invisível aos olhos humanos – Obs. Ev. Henrique) é o lugar mais adequado para esse acontecimento extraordinário.
2. Participantes das bodas. O casamento é de CRISTO e a Igreja, mas os convidados são muitos. De acordo com Dn 12.1-3 e Is 26.19-21, o Israel salvo da Grande Tribulação e os santos do Antigo Testamento são os convidados especiais. Devemos ter cuidado na interpretação desse evento para não confundirmos nem misturarmos os fatos que envolvem as bodas no céu e as bodas na Terra. No céu, as bodas são da Igreja e o Cordeiro (Ap 19.7-9). Na Terra, as bodas envolvem Israel e o Cordeiro (Mt 22.1-14; Lc 14.16-24; Mt 25.1-13). A cena das bodas no céu difere das bodas na Terra. No céu, somente a Igreja e seus convidados participarão. Na Terra, Israel estará esperando que o esposo venha convidá-lo a conhecer a esposa (a Igreja), que estará reinando com Ele no período milenial.
CONCLUSÃO
No céu, os salvos receberão as recompensas (coroas) por suas obras feitas na Terra, e as bodas do Cordeiro coroará a Igreja pela sua fidelidade a CRISTO.

Tesouro de Conhecimentos Bíblicos – Emílio Conde – CPAD
CASAMENTO – Na Bíblia aparece mais a palavra boda, do hebraico “ hãtunnã” e do grego “ gamos” .
No Evangelho de Mateus, capítulo 25, CRISTO refere-se a um cortejo nupcial, ao mencionar as dez Virgens da parábola que vão ao encontro do esposo. JESUS também participou das bodas de Caná, na Galiléia (Jó 2.1-3).
Entre os judeus, podia ser efetuado o casamento desde a idade núbil, isto é, desde os treze anos e um dia para os rapazes e doze anos e um dia para as meninas, porém o costume fixava a idade de dezoito anos. As viúvas ou
Repudiadas não podiam contrair novo matrimônio antes de se passarem três meses, depois da separação. Os esponsais tinham o mesmo valor legal que o matrimônio; esses esponsais duravam mais ou menos um ano, quando os noivos se comunicavam através de intermediários. Depois do período de noivado, havia a festa, que não trazia nenhuma cerimônia religiosa em si. No sábado seguinte ao início da festa do casamento, os novos esposos eram levados à sinagoga (no tempo do Novo Testamento) e o marido era convidado a fazer a leitura e a exposição de uma passagem bíblica.
Depois, o mesmo cortejo que os trouxera à sinagoga levava-os para a casa deles (noivos). O novo casal desfrutava de certas regalias, durante um ano (Dt 24.5).
Acerca dos direitos e deveres dos cônjuges, a esposa podia exigir de marido dez coisas, três das quais estão estipuladas na Lei: o alimento, o vestido e o dever conjugal (Êx 21.10) e as outras sete são prescritas pelos doutores: ajuda na enfermidade, resgate para a remissão do cativeiro, sepultura na morte, permanência ao lado do marido, casa na viuvez, comida para os filhos, uma parte da herança e o dote para os filhos. As obrigações da esposa são: o seu trabalho, sua presença habitual, etc. Nos dias do Antigo Testamento, o casamento era negociado pelos pais dos noivos. O homem que desejasse uma esposa tinha de comprá-la, e o preço estabelecido, de acordo com o que se lê na Bíblia (Dt 22.29), era de cinquenta siclos de prata, cujo pagamento poderia ser feito em camelos, ovelhas ou em Dinheiro. Esse pagamento era chamado “ monhar”.
Se o casamento fosse pacífico, não era tratado diretamente pelo noivo nem pela noiva. Os intermediários no trato do consórcio eram os amigos do noivo. O contato dos intermediários com a família da noiva exigia que estes levassem presentes para a noiva e não podiam ir de mãos vazias. A noiva não tinha a menor interferência nas negociações de seu casamento com o noivo. Não tinha o direito de recusar o homem que lhe escolhessem para marido. Nos tempos do Novo Testamento, era permitido que as jovens de maior idade recusassem uma união que lhes desagradasse, mesmo que tivesse sido combinada pelos pais. No contrato de casamento não estava a ação de qualquer mulher, nem mesmo da mãe da noiva. Todos os assuntos relacionados com o enlace eram realizados pelo pai da noiva e, na falta deste, pelo irmão mais velho; na falta do irmão, um amigo de confiança ou mesmo
um servidor da casa poderia ser o intermediário. Em Gênesis 24, aparece Abraão dando instruções ao seu servo para procurar uma esposa para Isaque. O próprio Isaque desempenhou papel secundário. Convém lembrar que os casamentos desses dias distantes deviam realizar-se entre pessoas da mesma tribo; não se admitiam casamentos com estrangeiros. Em certas épocas e lugares, o noivo não podia escolher qualquer moça para sua esposa. Se
pretendesse casar-se com uma jovem de determinada família mesmo que tivesse sido combinada pelos pais. No contrato de casamento não estava a ação de qualquer mulher, nem mesmo da mãe da noiva. Todos os assuntos relacionados com o enlace eram realizados pelo pai da noiva e, na falta deste, pelo irmão mais velho; na falta do irmão, um amigo de confiança ou mesmo um servidor da casa poderia ser o intermediário. somente podia fazê-lo com a irmã mais velha, quer fosse feia ou bonita, inteligente ou ignorante, dedicada ou desgovernada. Foi o que aconteceu a Jacó, quando pretendeu casar-se com a filha de Labão, fato que está registrado em Gênesis 29.26: “E disse Labão: Não se faz assim no nosso lugar, que a menor se dê antes da primogênita”. Se o matrimônio envolvia pessoas de recursos, então a distribuição entre os pobres de vinho, azeite, figos e nozes fazia parte da cerimônia. Onde as manifestações e regozijo culminavam era no cortejo nupcial que consistia no acompanhamento da noiva da casa de seu pai até a casa do noivo. Desse desfile participavam os amigos dos noivos, as virgens e
os mancebos, e todo o povo. O desfile era realizado à noite. Os integrantes do cortejo nupcial levavam lâmpadas que queimavam azeite. Essas lamparinas deviam ser abastecidas antes do desfile. A pressa ou a falta de cuidado dos servidores encarregados de encher de azeite as lamparinas, às vezes, causava embaraços e perturbações, pela falta de luz. Foi baseado nesse costume que Jesus Cristo apresentou aos homens de seus dias a parábola das dez virgens que foram esperar o noivo, porém, as lâmpadas de algumas não tinham azeite, não estavam preparadas e, quando foram abastecer-se, o noivo apareceu e elas não puderam acompanhá-lo, perdendo o privilégio de recebê-lo (Mt 25.10-12). Nenhuma pessoa podia aproximar-se do cortejo sem alguma espécie de luz; as luzes eram chamadas de “mesh-als” ; a estopa ou farrapos de linho eram muito torcidos e colocados em certos vasos de metal, no topo de um pedaço de madeira. Às vezes, a lâmpada era levada numa das mãos, enquanto que na outra havia um vaso com azeite, para abastecê-la. As bodas, ordinariamente, duravam sete dias (Gn 29.27; Jz 14.12). Os convidados das duas partes eram chamados de filhos das bodas (Mt 9.15). Havia os companheiros do noivo e as companheiras da noiva (Jz 14.10-18; SI 45.9,14,15). As amigas da noiva cantavam o “ Epithalamium” ou cântico nupcial, à porta da noiva, antes do casamento. Todos os convidados da festa acompanhavam o noivo, na tarde do primeiro dia, da casa dos pais da noiva à casa do noivo, onde estava preparada a mesa do banquete e a câmara nupcial. Nessa hora a mãe já havia coroado o noivo com um turbante especial (Ct 3.11; Is 62.3). A esposa era levada ao esposo coberta com um véu (Gn 24.65; 29.25). Enfeitada para o esposo, tendo um cinturão próprio do casamento (Jr 2.32), ela aguardava o esposo no quarto das mulheres, o tálamo nupcial (Jl 2.16). Em grego, os noivos recebem o nome de “ nymphios”
Tesouro de Conhecimentos Bíblicos – Emílio Conde – CPAD

A GRANDE TRIBULAÇÃO

O Livro do Apocalipse está dividido em três partes distintas: Passado, Presente e Futuro
O versículo chave do livro é Ap 1.19: “ Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer”
A IGREJA E A GRANDE TRIBULAÇÃO

O Pré-Tribulacionismo. Ensina que o arrebatamento da igreja (tanto os santos vivos quanto os mortos) ocorrerá antes do período de sete anos da tribulação, ou seja, antes do início da 70º semana de Daniel 9.24-27. É necessário dizer “antes do período de sete anos de tribulação” (RYRIE 2004, p. 563).

O Mesotribulacionismo. A visão do arrebatamento mesotribulacionista defende que o arrebatamento da igreja ocorrerá no meio dos sete anos e meio. Segundo esta visão, a tribulação é somente a segunda metade da 70º semana de Daniel. (p.579).

O Pós-Tribulacionismo. Ensina que o arrebatamento e a Segunda Vinda são facetas diferentes de um único evento, que ocorrerá no final da Grande Tribulação, quando Cristo voltar. A Igreja estará na Terra durante a tribulação para experimentar os eventos desse período. (p. 582).

I. O QUE É A GRANDE TRIBULAÇÃO
Apocalipse vamos encontrar :

7 Selos – Estampa que tem a finalidade de autenticar – Ex: Cartório utiliza um selo para autenticar
7 Trombetas – Juízos de Deus
7 Anjos – Agentes da Ira de Deus
7 Cálices – Julgamentos de Deus

“Porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais” (Mt 24.21).

A palavra “tribulação” significa literalmente “cumprir com força”, como se faz com as uvas no lagar, ou com a cana de açúcar na moenda. A Grande Tribulação é o período de maior angústia da história humana, em que os ímpios serão obrigados a reconhecer quão terríveis é cair nas mãos do Deus vivo.
A Grande Tribulação é chamada na Bíblia como o “Dia do Senhor” o qual Deus entrará em juízo com o mundo altivo, rebelde e impenitente que não ouviram e nem obedeceram a Sua Palavra (Is 13.9-11; Ml 4.1).

Esta aflição, sem precedente na história, será universal. O castigo de Deus virá sobre os moradores da terra, conforme descrito no livro de Apocalipse, do capítulo 6 ao 19.

A palavra profética tem predito que virá uma Grande Tribulação sobre a face da terra. O próprio Jesus falou muitas vezes sobre isto (Mt 24.31; Mc 13.39). O profeta Daniel chamou aquele tempo de “um tempo de angústia” (Dn 12.1). Será um tempo como nunca houve no universo. Em Lucas 21.25-26, lemos a respeito da angústia das nações, e como os homens desmaiarão de terror. O profeta Sofonias fala sobre as densas trevas que dominarão o tempo (Sf 1.14-18).

A grande tribulação é também chamada de:

1. Dia do Senhor Sf 1.14.
2. Ira do Cordeiro Ap 6.16.
3. Ultima semana de Daniel Dn 9.24-27.
4. Tempo de angústia de Jacó Jr 30-7; Sf 1.15.
5. Ira futura 1ª Ts 1.10; 5.9; Ap 6.16-17.
6. Tempo de destruição 1ª Ts 5.3.
7. Tempo de Eclipse (escuridão) Is 24.10-23; Am 5.18.
8. Tempo de castigo Ez 20.37-38.
9. Tempo de choro (pranto) Am 5.16-17.
10. Tempo de aflição Mt 24.21.
11. Dilúvio de açoites Is 28.15-18.

II. A GRANDE TRIBULAÇÃO TERÁ A DURAÇÃO DE SETE ANOS

A Grande Tribulação será dividida em duas fases:
1ª Fase: Serão três anos e meio de falsa paz que o Anticristo trará para o mundo, neste período o mundo o receberá como grande solucionador dos problemas da humanidade e será adorado como um deus.

2ª Fase: termina a falsa paz, e nos três anos e meio que faltam para completar os 7 anos. São três anos e meio de juízos onde o Jeová irá derramar as pragas do Apocalipse sobre os homens e haverá pestilências em todo o mundo, fazendo assim o Senhor estará frustrando o reinado do Anticristo, que a Bíblia chama de Grande Tribulação.

A Grande Tribulação terá uma duração de sete anos com base nas referências de Daniel

7.25
E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo.

Dn 9.27,
27 E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.
Apocalipse 12.6.

E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.

Então esta duração abrange a meia semana, três anos e meio, pois de acordo com Daniel 9.27, o Anticristo, o príncipe no qual Israel então terá feito uma aliança, interromperá no meio da semana o serviço do sacrifício. Daniel 12.7 diz: “…um tempo, dois tempos e metade de um tempo”. No capítulo 7.25 é indicado de forma muito concreta a duração da grande tribulação: “e os santos lhe serão entregues nas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo”. Em Apocalipse 12.6 fala-se de mil duzentos e sessenta dias e em Apocalipse 13.5 de quarenta e dois meses. E notório que o apóstolo João o qual igualmente descreve estes três anos e meio usa as mesmas expressões de Daniel. Em Apocalipse lemos: “…um tempo, dois tempos e metade de um tempo”.

No estudo sobre as setenta semanas de Daniel, podemos verificar que a última semana que equivale o período de sete anos que ainda não se cumpriu e é exatamente a Grande Tribulação que terá uma duração de sete anos, divididos em duas partes de três anos e meio.

• Mil duzentos e sessenta dias – Ap 11.1; 12.6.
• Quarenta e dois meses – Ap 13.5.
• Tempo e tempoS e metade de um tempo – Ap 12.14.

A Escritura, entretanto indica toda a 70ª semana como a grande tribulação porque a primeira é preenchida pela sedução de Israel por parte do Anticristo. Eles o aceitarão como o Messias (Jo 5.43). Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.

Perfazem assim o período profético de 7 anos de Grande Tribulação. Quanto ao Anticristo, a leitura atenta dos textos que o mencionam deixamos claro tratar-se de uma personalidade real, porque ele é chamado de “homem do pecado” e “filho da perdição”, e em Daniel de “o assolador” (2ª Ts 2.3; Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição,

Dn 9.27: E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.

O Anticristo

2Ts 2.7-12 : Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora o retém até que do meio seja tirado; E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda;
A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade.
Dn 11.36-39
E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito. E não terá respeito ao Deus de seus pais, nem terá respeito ao amor das mulheres, nem a deus algum,porque sobre tudo se engrandecerá.Mas em seu lugar honrará a um deus das forças; e a um deus a quem seus pais não conheceram honrará com ouro, e com prata, e com pedras preciosas, e com coisas agradáveis. Com o auxílio de um deus estranho agirá contra as poderosas fortalezas; aos que o reconhecerem multiplicará a honra, e os fará reinar sobre muitos, e repartirá a terra por preço.

1. A primeira fase da Grande Tribulação.
A primeira fase da Grande Tribulação que são três anos e meio terá os seguintes acontecimentos:

A. Israel terá pleno domínio de Jerusalém (Dn 9.24). Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo.

B. Israel fará acordo com o Anticristo por sete anos (Dn 9.27;

Jo 5.43
Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.

; Is 28.15-18).
Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos.
Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse.
E regrarei o juízo pela linha, e a justiça pelo prumo, e a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo.
E a vossa aliança com a morte se anulará; e o vosso acordo com o inferno não subsistirá; e, quando o dilúvio do açoite passar, então sereis por ele pisados.
Isaías 28:15-18

C. Israel irá construir o templo derrubado por Roma em 70 d.C. (2ª Ts 2.4). O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.

D. O livro com os sete selos serão abertos (Ap 5.1-14).
E. As duas testemunhas darão as suas profecias (Ap 11.1-12).

2. A segunda fase da Grande Tribulação.

A. Israel é invadida pelo Anticristo (Ap 12.6).
E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.
Apocalipse 12:6

B. O Anticristo sentará no templo exigindo adoração (2ª Ts 2.3-4; Dn 9.27. Jo 5.43; Is 28.15-18). Porquanto dizeis: “Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos. Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse. E regrarei o juízo pela linha, e a justiça pelo prumo, e a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo. E a vossa aliança com a morte se anulará; e o vosso acordo com o inferno não subsistirá; e, quando o dilúvio do açoite passar, então sereis por ele pisados.” Isaías 28:15-18

C. As duas bestas (O Anticristo – Besta que saiu do Mar (Terá o Poder Político) e o Falso Profeta – Besta que saiu da terra ( terá o poder espiritual, fará milagres) (Ap 13).
D. As sete pragas (Ap 15 e 16).
E. A batalha do Amargedom (as nações contra Israel) (Zc 14.12-13; Ap 19.19).
F. O espírito do demônio controlará os reis da terra (Ap 16.13-14).
G. Os reis do oriente marcham rumo a Israel (Ap 16.12-16).
H. Uma chuva de meteoro de até um talento que equivale a 34 quilos (Ap 16.21; Mt 24.29).
I. As sete trombetas do juízo de Deus (Ap 8.2-12; 9.1-13; 11.15).
J. A Volta de Cristo com Seus santos para livrar Israel (Ap 19.11-26; 1.7;
Judas 1.14; Mt 24.30-31).

III. QUANDO TERÁ INÍCIO A GRANDE TRIBULAÇÃO

A Bíblia é clara a respeito da Grande Tribulação, que terá início:

1. Será a última semana de Daniel.
“E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador” (Dn 9.27).

• A primeira metade da semana será marcada pelo reinado absoluto do Anticristo que, fará um concerto com Israel em Jerusalém e será aceito tanto pelos judeus quanto pelos gentios. Aqueles terão como o seu messias.

• A segunda metade será ocupada pela Grande Tribulação propriamente dita: “Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então, lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto aquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão” (1ª Ts 5.3).

• Na primeira fase da Grande Tribulação (três anos e meio), Israel rompe a aliança com o Anticristo, o seu tratado é quebrado e interrompe o sacrifício no templo (Dn 9.27).

O Anticristo vai declarar-se deus, apoderar-se-á do templo em Jerusalém e proibirá adoração ao Senhor (2ª Ts 2.4) e assolará a Palestina.

Israel será o único país no mundo que rompera o concerto com o Anticristo, e nenhum judeu receberá a marca do Anticristo. Diante deste acontecimento, o Anticristo se preparará para reunir as nações com soldados no grande vale do Amargedom para destruir por completo Israel, mas o seu intento só acontecerá no final da Grande Tribulação (Ap 16.16). E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom.

Então o Anticristo terá um prazo de três anos e meio para concretizar o seu mal intento contra os filhos de Deus (Dn 7.25).

“E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo”. Dn 7.25

Quando Israel romper a aliança com o Anticristo, Deus no céu abre as portas de um cataclismo mundial. Porque o Senhor enviará o seu juízo sobre a terra aos que ficarem.

OS SINAIS QUE PRECEDERÃO A SUA VINDA

Falsos Cristos Mateus 24 : 5 Porque muitos virão e meu nome, dizendo : Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.

Guerras Mateus 24 : 6 E ouvireis de guerras e rumores de guerras; olhai, não vos assusteis,…
I Guerra Mundial – 8 milhões morreram
– 15 milhões mutilados
II Guerra Mundial – 55 milhões morreram

Fome Mateus 24 : 7 … haverá fomes,…
Milhares de pessoas morrem [de fome] diariamente no mundo.

Pestes Mateus 24 : 7 … e pestes …
Câncer, Cólera, Aids e outras.

Terremotos Mateus 24 : 7 … e terremotos em vários lugares..

1985: 8.000 mortos no México
1988: 25.000 mortos na Armênia
1990: 35.000 mortos no Irã
1993: 30.000 mortos na Índia

Multiplicação dos pecados Mateus 24 : 12 E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará.

Proliferação do ocultismo I Timóteo 4 : 1 … dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios.

Decadência moral II Timóteo 3 : 1 – 2 … que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,…

Ciência avançada Naum 2 : 4 Os carros se enfurecerão nas praças, chocar-se-ão pelas ruas; o seu parecer é como o de tochas, correrão como relâmpagos.

SERÃO DIAS TENEBROSOS
O Apocalipse mostra-nos quão difíceis serão estes dias para os que estiverem aqui na terra, o Senhor derramará pragas e pestilências, um grande e terrível cálice de dor, de angústia e sofrimento sobre os homens que rejeitaram a Sua Palavra e não aceitaram a Jesus como Salvador.

2. Será o “dia da vingança do nosso Deus” (Is 61.2).
E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. Lucas 4:16-19

Isaias 61.2 – …A apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes;

Foi logo em Is 61.1-2 que Jesus leu, no dia que entrou na sinagoga da Sua cidade (Nazaré), e foi-lhe dado o livro, pois quando abriu a Escritura achou esta passagem. Ele leu, mas quando chegou a palavra “o dia da vingança”, cerrou o livro e entregou-o ao sacerdote (Lc 4.16-20). Por que Jesus parou a leitura no meio do versículo? Sim, porque naquele tempo Ele não tinha por missão executar a vingança, mas em salvar. Porém na Grande Tribulação chegará “o dia da vingança”, quando Deus afasta-se da humanidade, e entrega os homens à operação do erro, para que creiam na mentira, pois não receberam o amor da verdade para salvarem-se (2ª Ts 2.10-11).

OS SETE SELOS

PRIMEIRO SELO CAVALO BRANCO Apoc. 6 : 1 – 2 (O Anticristo)
Cavalo Branco significa falsa paz
Como conseguirá implantar esta paz ?
Resolvendo o problema do Arrebatamento
Resolvendo o problema sócio – político
Ler Apoc. 6 : 7 – 12

SEGUNDO SELO CAVALO VERMELHO Apoc. 6 : 3 – 4
Cavalo Vermelho significa guerra
Inicio da segunda etapa da Grande Tribulação. Apoc 12 : 12 Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais.
Ai dos que habitam na terra e no mar, porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo.

TERCEIRO SELO CAVALO PRETO Apoc. 6 : 5 – 6
Cavalo Preto significa dificuldade e fome.
Balança significa controle.
Começa a escassez de alimento. Apoc. 13 : 16 – 17

QUARTO SELO CAVALO AMARELO Apoc. 6 : 7 – 8
Cavalo Amarelo significa doença e morte.

QUINTO SELO OS MÁRTIRES Apoc. 6 : 9 – 11
A visão dos mártires da Grande Tribulação.
São aqueles que não receberão o sinal da besta.

SEXTO SELO A VINDA DE JESUS Apoc. 6 : 12 – 17
A vinda do Senhor em glória.

SÉTIMO SELO AS TROMBETAS Apoc. 8 : 1 – 2
O soar das sete trombetas

AS SETE TROMBETAS

PRIMEIRA TROMBETA Apoc. 8 : 7
1/3 dos alimentos são destruídos
Começa a fome sobre a terra Apoc. 6 : 6

SEGUNDA TROMBETA Apoc. 8 : 8 – 9
1/3 das águas dos mares apodrecem
1/3 das criaturas marítimas morrem
1/3 dos navios e embarcações naufragam

TERCEIRA TROMBETA Apoc. 8 : 10 – 11
1/3 das águas doce apodrecem
A sede se intensifica mais Isaías 19 : 5 – 8
Comparar com Êxodo 7 : 20, 24

QUARTA TROMBETA Apoc. 8 : 12 – 13
Sol, lua e estrelas escurecerão
Serão dias sombrios, úmidos e nublados, Lucas 21 : 25 – 26
“Ai ! Ai ! dos que habitam sobre a terra…”

QUINTA TROMBETA Apoc. 9 : 1 – 6
Começa a ira de Deus sobre os homens
O abismo é aberto e soltos os demônios Lucas 8 : 31
Os homens que tiverem o sinal da besta serão possessos.
Não haverá morte por cinco meses.

SEXTA TROMBETA Apoc. 9 : 14 – 16
São chefes de 200 milhões de demônios

SÉTIMA TROMBETA Apoc. 11 : 15
Esta trombeta se refere ao milênio

AS SETE TAÇAS

PRIMEIRA TAÇA Apoc. 16 : 1 – 2
Chaga má e maligna, será uma epidemia mundial.
Comparar com Êxodo 9 : 9 e Jó 2 : 7
Esta praga afetará quem tem o sinal da besta

SEGUNDA TAÇA Apoc. 16 : 3
Toda água apodrecerá.
Todas as criaturas aquáticas morrerão.
Com a 2a trombeta somente 1/3 das águas apodrecerão.
O odor da podridão dos mares será insuportável.

TERCEIRA TAÇA Apoc. 16 : 4
Toda água potável se contaminará
As criaturas aquáticas morrerão
Com a 3a trombeta 1/3 das águas apodrecerão.
Leiamos Isaías 19 : 5 – 8

QUARTA TAÇA Apoc. 16 : 8 – 9
Calor intenso.
Obs. A falta de alimento, as úlceras, o mal cheiro, o sol causticante, os homens possessos.
“Serão homens normais”

QUINTA TAÇA Apoc. 16 : 10 – 11
Dores insuportáveis.

SEXTA TAÇA Apoc. 16 : 12 – 16
Preparação para o Armagedom.

SÉTIMA TAÇA Apoc. 16 : 17 – 21
A vinda do Senhor em glória.

IV. OBJETIVOS DE DEUS NA GRANDE TRIBULAÇÃO

A Grande Tribulação será deflagrada, visando a aplicação dos juízos divinos sobre a terra e a reconciliação de Israel com o seu verdadeiro Messias. Ela também possui como objetivos:

1. Repreender, castigar e educar Israel com vara de Juízo, preparando os Judeus para enfim aceitarem a Jesus Cristo como o Messias prometido (Ezequiel 20.37; Dt 4.30; Mt 23.37-39).

2. Separar os judeus fiéis a Deus (Zc 13.8-9; Ap 14.1-3).
E acontecerá em toda a terra, diz o Senhor, que as duas partes dela serão extirpadas, e expirarão; mas a terceira parte restará nela. E farei passar esta terceira parte pelo fogo, e a purificarei, como se purifica a prata, e a provarei, como se prova o ouro. Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O Senhor é o meu Deus. Zacarias 13:8,9

3. Castigar os ímpios que rejeitaram o maior presente de Deus que é o amor de Cristo, e não se converteram dos seus pecados, pois recusaram a luz de Cristo para viver em trevas (2ª Ts 2.11-12) e preferiram crer nas trevas e na mentira do diabo.

E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;
Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade. 2 Ts 2:11,12

4. Trazer aflição e angústia porque rejeitaram a Jesus como salvador da humanidade.

5. Derramar a ira de Deus (Ap 6.16-17; 2ª Ts 1.7-9).
E a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder, Com labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo;Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, longe da face do Senhor e da glória do seu poder, 2 Ts 1:7-9

6. Destruir o império do Anticristo (Ap 16.10).
E o quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino se fez tenebroso; e eles mordiam as suas línguas de dor. Ap16:10

7. Desestabilizar o atual sistema mundial (Dn 2.34-35).
Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem auxílio de mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou. Então foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como pragana das eiras do estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra, que feriu a estátua, se tornou grande monte, e encheu toda a terra.
Dn 2:34,35

8. Implantar o reino de Nosso Senhor Jesus Cristo (Dn 2.44).

“Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre,” Daniel 2:44

V. A IGREJA PASSARÁ PELA GRANDE TRIBULAÇÃO?

Segundo a interpretação da escola pré-tribulacionista a Igreja será arrebatada antes da Grande Tribulação e concordo com está linha de pensamento.

“Eles gritavam às montanhas e às rochas: “Caiam sobre nós e escondam-nos da face daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro! Pois chegou o grande dia da ira deles; e quem poderá suportar?” (Ap 6.16-17).

Alguns crêem que a Igreja do Senhor enfrentará aqui a Grande Tribulação, e que, quando Jesus vier, virá num ato único para ela, para Israel e para as nações rebeladas contra Deus. Ensinam ainda que a trombeta de 1ª Coríntios 15.52 e 1ª Tessalonicenses 4.16, ligada ao arrebatamento da Igreja, é equivalente à sétima trombeta de Apocalipse 11.15-19, que dá início aos últimos juízos da Grande Tribulação.

O Apocalipse mostra que a Igreja não estará na Terra durante a Grande Tribulação A igreja não é vista na Terra nos capítulos 4 a 18 do Apocalipse.

Israel será a testemunha de Deus durante a Grande Tribulação e não a Igreja. (Apocalipse 7).
As orações dos santos em Apocalipse 8 são de julgamento. Somente Israel faz orações deste tipo. A Igreja é ensinada a orar pelos seus inimigos e não contra eles (Lc 9.51-56). As orações do Apocalipse são as orações dos Salmos, embasadas nas promessas feitas a Abraão, de amaldiçoar os que amaldiçoassem Israel (Gn 12.1-3).

A Bíblia fala sobre dois eventos distintos: a remoção dos crentes antes da grande tribulação (arrebatamento) e a segunda vinda de Cristo. O primeiro ocorrerá no começo e o segundo no fim da septuagésima semana de Daniel.

Primeiro, Cristo virá para os seus santos para levá-los para o céu; de outra forma jamais poderia vir com os seus santos do céu para socorrer a Israel na Batalha do Armagedom. O arrebatamento acontecerá quando menos esperado.

A segunda vinda acontece apenas depois de todos os sinais terem sido dados e todos souberem que Cristo está prestes a voltar em glória e poder.

O arrebatamento ocorre em meio a paz (1ª Ts 5.3);

A segunda vinda em meio a guerra (Ap 19.11-21).

É simplesmente impossível colocar no mesmo referencial de tempo e num único evento as afirmações mutuamente exclusivas que o Novo Testamento faz sobre o arrebatamento e a segunda vinda (Mt 24.29-44).

As diferenças e os contrastes das duas fases da vinda de Jesus são tanto na Escritura, que se houvesse uma só fase, tudo seria uma grande contradição. Vejamos, a seguir, as evidências de que Jesus arrebatará para si a Igreja, antes da sua revelação em glória às nações. Citaremos algumas referências bíblicas para contrastá-las, a primeira sobre o arrebatamento, e a segunda sobre a revelação de Jesus.

Is 57.1: “Perece o justo, e não há quem se impressione com isso; e os homens piedosos são arrebatados sem que alguém considere nesse fato; pois o justo é levado antes que venha o mal”.

Na primeira fase o mundo não o verá. 1ª Coríntios 15.52: “Num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”.
Mateus 24.30: “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu com poder e muita glória”.

Na primeira passagem, Jesus vem num momento, e levará os seus para o Céu. Isto é, num abrir e fechar de olhos, num milésimo de segundo. Na segunda passagem, Jesus, ao voltar será visto por todos os povos da terra: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Certamente. Amém” (Ap 1.7).

Esta fase da sua vinda será precedida do “sinal” do Filho do homem, como está bem claro nesta segunda referência. Será, portanto, algo lento e diferente do primeiro caso.

João 14.3: “E quando eu for, e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que onde eu estou estejais vós também”.

Colossenses 3.4: “Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então vós também sereis manifestados com ele, em glória”.

Em João 14.3 Jesus promete vir buscar o seu povo que está aqui na terra. Então, aqui Ele vem para os seus. Em Colossenses 3.4 a Palavra nos declara que quando Ele vier, nós viremos com Ele. Então, aqui Ele vem com os seus. Para Jesus vir com os seus, Ele primeiro os levará para si. (Quanto a Colossenses 3.4 – Jesus vindo com os seus – ler também Zacarias 14.4,5 e Judas v.14).

1ª Tessalonicenses 4.17: “Depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor”.

Zacarias 14.4: “Naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; o monte das Oliveiras será fendido pelo meio…”.

Em 1 Tessalonicenses 4.17, Jesus vem até as nuvens, para levar os seus; dos ares Ele os levará. Em Zacarias 14.4 o Senhor vem e pisará a terra, a saber, o monte das Oliveiras e de modo ostensivo. E trata-se aí da vinda do Senhor (Zc 14.5b). Logo trata-se aí de dois casos diferentes.

Em Hebreus 9.27-28 lemos que Jesus virá sem pecado, isto é, não para tratar do problema do pecado. Ele virá para os que o aguardam para a salvação. Em Mateus 25.31-46, vemos Jesus vindo para julgar e castigar os pecados daqueles que tiveram prazer somente em pecar. Logo, estas duas referências tratam de dois casos diferentes.

Apocalipse 19.7, 8 e Apocalipse 19.11-14. Na primeira referência temos a Igreja reunida a Cristo nas bodas do Cordeiro no céu (Ap 19.1) e na segunda referência Ele vem para julgar as nações.

1ª Coríntios 15.51. “Eis que vos digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos”. A fase da vinda de Jesus aqui abordada é um “mistério”. O arrebatamento da Igreja não foi revelado aos escritores do Antigo Testamento. Os escritores do Novo Testamento tiveram a revelação do evento, mas não dos seus detalhes. Já a volta de Cristo à Terra é um evento detalhadamente descrito em grande parte do Antigo Testamento. É o chamado “Dia do Senhor Jeová”, tão mencionado nos profetas. O dia em que Ele virá à terra para julgar as nações.

Tito 2.13. Aqui temos num só versículo as duas fases da segunda vinda de Jesus. Paulo primeiramente fala dos salvos como “aguardando a bendita esperança”, mas a seguir fala também da “manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus”. A “bendita esperança” é sem dúvida alguma alusão ao arrebatamento da Igreja; a “manifestação da glória” é uma alusão à manifestação pessoal de Cristo.

Torna-se pois bem claro, à vista da Palavra de Deus, que há dois aspectos distintos da segunda vinda de Jesus.

Vejamos alguns fatos que ocorreram livramento antes da tribulação:
• Enoque foi levado ao céu antes do Dilúvio; a Bíblia diz na carta de Hebreus para não ver a morte (Hb 11.5).
• Ló foi tirado de Sodoma antes da destruição (Gênesis 19).
• Deus não destinou a Igreja para a ira (1ª Ts 5.9).
• João foi arrebatado ao céu logo após o relato da última carta à igreja de Laodicéia (Ap 4.1-2).
• Se orarmos e vigiarmos escaparemos das coisas que sucederão (Lc 21.36).
Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e de estar em pé diante do Filho do homem.
Lucas 21:36

• Versículos bíblicos que nos mostram o grande livramento que o Senhor nos dará:
(Salmos 32.7; Tu és o lugar em que me escondo; tu me preservas da angústia; tu me cinges de alegres cantos de livramento.
Salmos 32:7
Salmos 27.5- 6; Porque no dia da adversidade me esconderá no seu pavilhão; no oculto do seu tabernáculo me esconderá; pôr-me-á sobre uma rocha.
Também agora a minha cabeça será exaltada sobre os meus inimigos que estão em redor de mim; por isso oferecerei sacrifício de júbilo no seu tabernáculo; cantarei, sim, cantarei louvores ao Senhor.
Salmos 27:5,6

Salmos 33.19; Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua misericórdia; Para lhes livrar as almas da morte, e para os conservar vivos na fome.
Salmos 33:18,19
Pv 11.8; O justo é libertado da angústia, e vem o ímpio para o seu lugar.

Ec 8.5; Quem guardar o mandamento não experimentará nenhum mal; e o coração do sábio discernirá o tempo e o juízo.

Isaías 65.13 : Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que os meus servos comerão, mas vós padecereis fome; eis que os meus servos beberão, porém vós tereis sede; eis que os meus servos se alegrarão, mas vós vos envergonhareis;
Isaías 65:13
e 1ª Ts. 1.10). E esperar dos céus o seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.

O justo é libertado da angústia, e vem o ímpio para o seu lugar. Provérbios 11:8

VI. A IGREJA E O DIA DE CRISTO E O DIA DO SENHOR

1. O Dia de Cristo. O “Dia de Cristo” foi revelado somente no Novo Testamento e aplica-se unicamente à Igreja de Jesus. Por isto, ele está relacionado quase sempre com bênçãos, com promessas e com a esperança da glória de Cristo. Ele diz respeito ao retorno dos crentes renascidos para o reino do Pai (a casa do Pai), mas também ao tribunal de Cristo que vai acontecer nesta ocasião.
I Co 3.13 – o “Dia” – A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.

O arrebatamento da Igreja marca o início do chamado “dia de Cristo” (1ª Co 1.8; Fl 1.6). Este “dia” é relacionado com a Igreja, e vai do arrebatamento da Igreja à revelação de Cristo em Glória. Em 2ª Ts 2.2, a tradução correta é “dia do SENHOR”, (com maiúscula, significando “Jeová” conforme o estabelecido pelos editores da Bíblia, internacionalmente). A expressão “dia do Senhor” abrange o mesmo período da vinda de Jesus com relação às nações gentílicas e Israel. Tem a ver com julgamento. A Igreja não está esperando o “dia do Senhor”, mas o “dia de Cristo”.

2. O “Dia do Senhor”. O dia do Senhor, pelo contrário, não é uma nova revelação, mas já era conhecido no Antigo Testamento. Este “dia” tem a ver com o justo juízo de Deus que cairá sobre o mundo incrédulo e castigará a rebelião contra Ele. Neste dia igualmente acontecerá o juízo sobre o povo de Israel e seu restabelecimento espiritual. Trata-se da intervenção evidente e visível de Deus nos acontecimentos deste mundo.

Este dia é o dia da Grande Tribulação e começa depois do “Dia de Cristo”, ou seja, depois do arrebatamento. Ele resultará, finalmente, na vinda de Jesus em poder e glória juntamente com os Seus santos. Por isto ele também é chamado de “as dores” ou “dores de parto” (1ª Ts 5.3). Em sua abrangência mais ampla, o “Dia do Senhor” refere-se ao estabelecimento do reino de Jesus (Milênio) e conduz à derradeira destruição do antigo céu e da antiga Terra. Também a este respeito seguem alguns exemplos:

“Porque o Dia do Senhor dos Exércitos será contra todo soberbo e altivo e contra todo aquele que se exalta, para que seja abatido. Então, os homens se meterão nas cavernas das rochas e nos buracos da terra, ante o terror do Senhor e a glória da sua majestade, quando ele se levantar para espantar a terra” (Is 2.12 e 19; compare Ap 6.15-17).

“Mostrarei prodígios em cima no céu e sinais embaixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e glorioso Dia do Senhor” (At 2.19-20).

Outras passagens bíblicas sobre o “Dia do Senhor” são encontradas em Joel 1.15; 2.1-2; Ezequiel 30.3; Sofonias 1.14; Zacarias 14.4-5 e 8; 1ª Tessalonicenses 5.1-5; 2ª Pedro 1.16; 3.10 e Judas 14-15.

3. O Dia de Deus. O “Dia de Deus” é após todos os acontecimentos apocalípticos, ou seja, após o julgamento do grande trono branco. Será dia em que o próprio Deus triunfará definitivamente; depois que todo o mal tiver sido afastado e tudo estiver implantado na nova situação eterna e permanente, quando Deus será tudo em todos.

“Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte. Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente exclui aquele que tudo lhe subordinou. Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (1ª Co 15.25-28). Nesse contexto a Palavra diz aos crentes: “…esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2 Pe 3.12-13).

VII. QUAL A DIFERENÇA ENTRE TRIBULAÇÃO E GRANDE TRIBULAÇÃO?

A palavra tribulação significa: aflição, amargura, adversidade, trabalho, ou seja, são aqueles problemas que todo o mundo tem, é muito comum em alguém “Eu estou atribulado”, “estou passando por uma tribulação”, porém isto não passa de momentos maus que acontecem na vida de cada ser humano. Quem nunca passou por problemas na família, na escola, no trabalho, financeiro, no ministério da igreja, etc. Jesus ensinou no Seu evangelho que passaríamos por aflições (Jo 16.33).
A Bíblia diz que a Igreja aqui neste mundo passará por aflições, provas, tribulações. São adversidades que enfrentamos contra o inimigo de nossas almas (Satanás). Pois estas adversidades são formas que Deus usa para corrigir o seu povo nesta terra. O apóstolo Paulo fala da tribulação do tempo presente (Rm 8.18), isto porque refere-se aos momentos difíceis do dia-a-dia. Paulo é bem claro para ninguém confundir tribulação com Grande Tribulação.

Porque Cristo iria castigar a Sua Noiva? È uma pergunta que não tem resposta na Bíblia.

Isto tudo são tribulações, porém nada comparado com a GRANDE TRIBULAÇÃO, que será um período onde a ira (juízos) de Deus serão derramados sobre a terra o qual nunca houve antes, e nem haverá em outro tempo (Mt 24.31). Esta Grande Tribulação virá sobre os moradores da terra que ficarem após o arrebatamento da Igreja.

VIII. A IRA DO CORDEIRO

A ira (gr. orge), é uma expressão da justiça. É a indignação pessoal de Deus e Sua reação imutável diante de todo o pecado ;

Ez 7.8-10; Agora depressa derramarei o meu furor sobre ti, e cumprirei a minha ira contra ti, e te julgarei conforme os teus caminhos, e porei sobre ti todas as tuas abominações.
E não te poupará o meu olho, nem terei piedade de ti; conforme os teus caminhos, assim te punirei, e as tuas abominações estarão no meio de ti; e sabereis que eu, o Senhor, é que firo.
Eis aqui o dia, eis que vem; veio a manhà, já floresceu a vara, já reverdeceu a soberba.
Ezequiel 7:8-10

Ef 5.6; Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.

Ap 19.15
E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso.

causada pelo comportamento iníquo do ser humano (Êx 4.14; Nm 12.1-9; 2º Sm 6.6-7), e pela apostasia e infidelidade do povo (Nm 25.3; 32;10-13; Dt 29.24-28).

“E disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro, porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?” (Ap 6.16-17).

A ira do Cordeiro descrito neste capítulo do verso 6 ao 19, é uma manifestação da vingança divina contra os transgressores da Sua Palavra e para quem não há manifestação da Sua misericórdia

Dt 32.39-43; Vede agora que eu, eu o sou, e mais nenhum deus há além de mim; eu mato, e eu faço viver; eu firo, e eu saro, e ninguém há que escape da minha mão.
Porque levantarei a minha mão aos céus, e direi: Eu vivo para sempre.
Se eu afiar a minha espada reluzente, e se a minha mão travar o juízo, retribuirei a vingança sobre os meus adversários, e recompensarei aos que me odeiam.
Embriagarei as minhas setas de sangue, e a minha espada comerá carne; do sangue dos mortos e dos prisioneiros, desde a cabeça, haverá vinganças do inimigo.
Jubilai, ó nações, o seu povo, porque ele vingará o sangue dos seus servos, e sobre os seus adversários retribuirá a vingança, e terá misericórdia da sua terra e do seu povo.
Deuteronômio 32:39-43
Ex 22.23-24). Se de algum modo os afligires, e eles clamarem a mim, eu certamente ouvirei o seu clamor.
E a minha ira se acenderá, e vos matarei à espada; e vossas mulheres ficarão viúvas, e vossos filhos órfãos.
Êxodo 22:23,24

Muitos destacam o amor á Deus e esquecem que Ele também é justiça. E nesta justiça, está a Sua ira contra o pecado (Rm 1.18, 3.5-6; 9.22). A ira de Deus foi pronunciada pela primeira vez no Éden e manifestar-se-á em plenitude com a vinda de Cristo (Ap 6.16-17).

A ira aqui se refere aos juízos que virão para aqueles que nunca acreditaram, creram na obra redentora de Cristo através de Sua morte no Calvário e não se arrependeram de seus pecados.

Na primeira carta aos tessalonicenses nos é mostrado claramente que o consolo da Igreja consiste do fato que o arrebatamento nos livrará do dia da ira de Deus (do “Dia do Senhor”): “…e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura” (1ª Ts 1.10).

William McDonald diz: Aquele por quem esperamos é Jesus, “que nos livra da ira vindoura”. Esta descrição de nosso Senhor que voltará pode ser entendida de duas maneiras:

1. Ele nos livra do castigo eterno que merecemos pelos nossos pecados. Na cruz Ele suportou a ira de Deus por nossos pecados. Pela fé em Jesus, o valor da Sua obra na cruz é creditado a nós. Daqui por diante não há mais condenação para nós, por estarmos em Cristo (Rm 8.1).

2. Ele nos livra igualmente da era de juízo que virá sobre esta terra, quando a “ira” de Deus será derramada sobre um mundo que rejeitou Seu Filho. Este tempo é conhecido como “a Grande Tribulação”, ou também o tempo da “angústia de Jacó” (Dn 9.27; Mt 24.4-28; 1ª Ts 5.1-11; 2ª Ts 2.1-12; Ap 6.1-17 e 10).

Esta “ira de Deus” começará na Grande Tribulação, como se vê claramente em Apocalipse 6.15-17. Também em 1ª Tessalonicenses 5 é nitidamente do “Dia do Senhor” que o texto fala, dia que virá como ladrão de noite (vvs. 2-3). Mas neste contexto de juízo e castigo é dito a Igreja que ela será poupada deste dia:

“Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas. Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo” (1ª Ts 5.4-5 e 9).

A Bíblia Viva diz no versículo 9:”Porque Deus não nos escolheu para derramar sua ira sobre nós, mas para nos salvar por meio de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Portanto, em resumo, podemos dizer: sempre que o Espírito Santo nos recorda o tema do arrebatamento, somos lembrados de todo o consolo do Evangelho de Jesus, da esperança da nossa vocação.

Os tessalonicenses foram bem instruídos sobre este assunto. Por isto eles ficaram tão preocupados quando repentinamente surgiram rumores de que “o Dia do Senhor” (a Grande Tribulação) já havia chegado. Pois estaria acontecendo justamente o contrário do que eles haviam ouvido do apóstolo. Eles logo se preocuparam, ficaram com medo, abalados, surpresos, tristes e começaram a vacilar. Por quê? Porque haviam abandonado a palavra da graça. A Bíblia é nosso parâmetro, por isto devemos confiar no que ela está escrito!

“Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça” (Rm 1.18).

Ira de Deus nestes versículos refere-se ao ódio de Deus contra o pecado, a imoralidade e a iniquidade impenitente, a idolatria. Embora muitos “líderes” ensinam que a Noiva de Cristo ficara na Grande Tribulação. Mas, os que estivem esperando Seu Noivo subirão com Ele. Amem!

A esperança de Paulo deve ser de cada cristão: “Porque de vós repercutiu a palavra do Senhor não só na Macedônia e Acaia, mas também por toda parte divulgou-se a vossa fé para com Deus, a tal ponto de não termos necessidade de acrescentar coisa alguma; pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro e esperar dos céus a seu Filho, quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura”(1ª Ts 1.8-10).

Aqui o apóstolo Paulo está revelando o quadro horrível dos desobedientes à vinda de Jesus. Paulo fala aqui do “dia do SENHOR”, dia de ira, de vingança, quando Ele manifestar-se-á como fogo flamejante, contra os impenitentes, que recusaram o Evangelho do Senhor Jesus. Ora, aqui, aos ímpios serão infligidos castigados por sua rebeldia, e, é evidente, não há lugar neste contexto para a presença da Igreja, redimida pelo sangue de Cristo e fruto do amor de Deus.

Os fiéis da Igreja de Cristo não estão destinados à ira de Deus (1ª Ts 5.9). Deus prova Seu amor inefável para com Sua Noiva: “Mas Deus prova o seu amor para conosco que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, sendo justificado pelo seu sangue, seremos salvos da ira. Porque, se nós quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. E não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos agora, a reconciliação” (Rm 5.8-11).

Se Deus mandou o Seu Filho para morrer por nós quando éramos inimigos, quanto mais agora que somos seus filhos. O livramento da ira futura é a prova do seu grande amor por nós.

“Salvos da ira”: aponta para o julgamento de Deus no fim. No verso 10 Paulo diz que quando Cristo morreu, a nossa dívida foi paga. Quando aceitamos a Cristo, pela fé nós nos aproximamos da salvação. A morte de Jesus nos isentou da condenação e da ira futura.

O Senhor Deus já havia falado através do profeta Isaías que seu povo não entraria em juízo: “Os teus mortos viverão, os teus mortos ressuscitarão; despertai e exultai, vós que habitais no pó, porque o teu orvalho, ó Deus, será como orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos. Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos e fecha a porta sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira” (Is. 26.19-20).

Ele nos livra do castigo eterno que merecemos pelos nossos pecados. Na cruz Ele suportou a ira de Deus por nossos pecados. Pela fé em Jesus, o valor da Sua obra na cruz é creditado a nós. Daqui por diante não há mais condenação para nós, por estarmos em Cristo (Rm 8.1).

Jesus (O Noivo) tem preparado um lugar especial para Sua noiva, por isto profetizou Isaías: “Os teus mortos ressuscitarão” refere-se ao arrebatamento da Igreja que após este evento entrará nas mansões celeste para receber seus galardões: “entra nos teus quartos e fecha a porta sobre ti”. E Deus é claro quando diz: “até que passe a ira”.

Os crentes em Jesus não precisam temer porque Deus enviará o seu Filho, o Noivo para buscar a Sua Igreja (a Noiva) antes da ira futura, a Grande Tribulação. Que Ele venha em breve.

Amaste a justiça e aborreceste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus te ungiu, com óleo de alegria mais do que a teus companheiros (Hb 1.9). Os que amam a justiça serão recompensados, e o nosso misericordioso Pai não irá deixar-nos passar pela tristeza, isto é, pela Grande Tribulação, Ele nos ungiu com o óleo da alegria. Amém.

IX. QUEM PASSARÁ PELA GRANDE TRIBULAÇÃO

Há dois grupos distintos que passarão pela Grande Tribulação:

1. A Grande Tribulação será para os judeus que não aceitarão a Cristo.
O Julgamento de Israel dar-se-á após o arrebatamento da Igreja de Cristo. Israel será julgado, repreendido pelo Senhor por ter rejeitado a Jesus como Messias e Salvador.

Este julgamento o Senhor chama de angustia de Jacó:

“E estas são as palavras que disse o SENHOR acerca de Israel e de Judá. Assim diz o SENHOR: Ouvimos uma voz de tremor, de temor, mas não de paz. Perguntai, pois, e vede se um homem tem dores de parto. Por que, pois, vejo a cada homem com as mãos sobre os ombros, como a que está dando à luz? E por que se tem tornado macilentos todos os rostos? Ah! Porque aquele dia tão grande, que não houve outro semelhante! E é tempo de angústia para Jacó; ele, porém, será salvo dela. Porque será naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos, que Eu quebrarei o seu jugo de sobre o teu pescoço e quebrarei as tuas ataduras; e nunca mais se servirão dele os estranhos. Mas servirão ao SENHOR, Seu Deus, como também a Davi, seu rei, que lhes levantarei”(Jr 30.4-9).

Nesta passagem o profeta Jeremias fala de um tempo ainda futuro quando grande angústia ou tribulação virá sobre todo o Israel, que é simbolicamente denominado de “Jacó”. É melhor interpretar este tempo de angústia como algo que ainda é futuro para Israel – um tempo conhecido como a septuagésima semana de Daniel ou a Tribulação. O expositor bíblico e estudioso de profecia Dr. Charles H. Dyer escreve sobre essa passagem e seu significado:

A que “tempo de angústia” Jeremias está se referindo? Alguns acham que ele está indicando a derrota de Judá pela Babilônia ou a derrota posterior da Babilônia pela Medo-Pérsia. Mas, em ambos estes períodos o Reino do Norte, Israel, não foi afetado. Ele já tinha sido levado ao cativeiro em 722 a.C. Uma solução melhor é que Jeremias está referindo-se a um período de tribulação futuro quando o remanescente de Israel e Judá sofrerá uma perseguição incomparável (Dn 9.27; 12.1; Mt 24.15-22). O período terminará quando Cristo aparecer para resgatar os Seus eleitos (Rm 11.26) e estabelecer Seu reino (Mt 24.30-31; 25.31-46; Ap 19.11-21; 20.4-6).

Portanto, o tempo de angústia para Jacó enfatiza o aspecto da Tribulação futura que expressa a dificuldade pela qual os judeus ou descendentes de Jacó passarão durante este período.

A nação de Israel goza duma relação especial com Deus em razão do pacto com eles, por Ele ter escolhido esta nação como testemunho entre as nações da terra (Is 43.10; Rm 3.1-2).

No plano de Deus ficou estabelecido que dela viriam a salvação e as bênçãos pelo fato de que o Messias procederia de Israel. Por causa desta relação pactual Deus os chama “meus filhos”, e trata-os com castigo quando lhe desobedecem (Is 43.6).

A grande maioria dos judeus permanece até hoje incrédula e apóstata. Rejeitaram a Deus e nos dias de Samuel pediram um rei como tinha as demais nações. Quando o Messias dele, e libertador da humanidade chegou, eles disseram: “Fora com ele, não O queremos para mandar em nós”.

Mesmo depois de ter contemplado a obra redentora e estar aberta à porta da salvação para eles, recusaram a convicção do Espírito Santo, recusaram seus mensageiros e apedrejaram seus discípulos.
Israel já tem passado por muitas repreensões de Deus, mas passará ainda por um grande desapontamento, ou seja, um julgamento tão severo qual ainda não passou, por isto, o Senhor diz: “E é tempo de angústia para Jacó”.

Serão enganados pelo Anticristo e sofrerão os horrores do tempo da “Angustia de Jacó”. O período da Grande Tribulação será o tempo de angústia para Israel, onde Deus enviará os seus juízos para os desobedientes.

“No momento que seriam esmagados pelas nações do mundo, no fim deste período, passarão debaixo do cajado de Deus” (Ez 20.37), que simboliza uma aproximação de Deus. Na grande Tribulação, após sofrerem, os justos clamarão o nome do Senhor, em profundo arrependimento. Os rebeldes serão destruídos e o remanescente fiel entre eles tornar-se-á o único núcleo de um Israel renovado espiritualmente, então dirão a Deus: “Mas agora, o Senhor, Tu és nosso Pai; nós o barro, e Tu o nosso Oleiro; e todos nós obra de suas mãos” (Js 64.8); (Zc 12.10; 13.1).

O Renovo de Davi: “Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; sendo rei, reinará, e prosperará e praticará o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias, Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este será o nome com que o nomearão: O SENHOR, Justiça Nossa. Portanto, eis que vêm dias diz o SENHOR, em que nunca mais dirão: Vive o SENHOR que fez subir os filhos de Israel da terra do Egito. Mas, Vive o SENHOR que fez subir e que trouxe a geração da casa de Israel da terra do Norte e de todas as terras para onde os tinha arrojado. E habitarão na sua terra” (Jr 23.5-8).

Será nesta hora que a nação, em sua totalidade, reconhecerá Jesus como seu Messias, sendo por Ele convertido. “Quem jamais ouviu tal cousa? Quem viu cousas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos” (Is 66.8).

No final da Grande Tribulação quando Israel estiver cercado pelo Anticristo então virá o Senhor em glória e irão dizer: “E se alguém lhe disser: Que feridas são essas nas tuas mãos? Dirá Ele: São as feridas com que fui ferido em casa dos meus amigos” (Zc 13.6).

2. Os gentios.
“Depois destas coisas, olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas mãos” (Ap 7.9, 13, 14).

A grande tribulação é um tempo de julgamento divino sobre um mundo ímpio que rejeitou a Cristo, mas também um tempo de ira e perseguição satânica contra os que recebem a Cristo e a sua Palavra.

“E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são e de onde vieram. E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram de grande tribulação, lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro” (Ap 7.13-14).

“E um dos anciãos…” Os vinte quatro anciãos visto pelo apóstolo João Apocalipse 4.4, representam os remidos, que foram levados ao Tribunal de Cristo e coroados logo após o arrebatamento. Portanto a Grande Tribulação dará inicio logo após o arrebatamento.

Mas um dos anciãos pergunta a João: “Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são e de onde vieram…”. Estes são os que vieram de grande tribulação…, ou seja, os “mortos por amor da palavra de Deus” são os que foram martirizados por sua fé em Cristo e pela verdade da sua Palavra.

Será baixado um decreto ordenando a morte de todos que se recusarem a adorar o governante mundial e sua imagem. Noutras palavras, muitos que resistirem ao anticristo e permanecerem fiéis a Jesus, selarão sua fé com suas vidas (Ap 6.9; 14.12,13; 17.9-17).

X. HAVERÁ SALVAÇÃO DURANTE A GRANDE TRIBULAÇÃO?

NA DISPENSACAO DA GRACA SOMOS SALVOS PELA FE NA MORTE DE CRISTO JESUS POR MIM

NA GRANDE TRIBULACAO AS PESSOAS SE SALVARAO MORRENDO POR FE EM JESUS, ENTREGANDO SUAS VIDAS POR ELE

Quando se estuda a Grande Tribulação, a pergunta é inevitável: “haverá salvação neste período?” É claro que sim. O livro de Apocalipse mostra dois grupos distintos de salvos: os israelitas e os gentios: “Respondi-lhe: meu Senhor, tu o sabes. Ele, então, me disse: São estes os que vêm da grande tribulação, lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro” (Ap 7.4-14). Outras passagens que evidenciam a salvação durante a tribulação (Ap 6.9; 12.17; 7.9-11; 15.2; 20.4).

Isto significa que, apesar da oposição do Anticristo, a Bíblia continuará a ser divulgada em escala mundial. Enganam-se aqueles que afirmam que após o arrebatamento da Igreja, as Escrituras perderão sua inspiração sobrenatural e única. Tal ensinamento não conta com qualquer respaldo bíblico. Afirma o profeta Isaías: “seca-se a erva, e caem as flores, mas a palavra de Deus subsiste eternamente” (Is 40.8).

Precisamos entender que a salvação é pela graça. A graça é manifestada a todos os homens que se arrependem de seus pecados. Na Velha Aliança, o povo era salvo pela fé no Redentor Prometido. Na Nova Aliança, somos salvos pela fé no sacrifício de Jesus no Calvário. Porém, na grande tribulação o povo será salvo por guardar a fé. Isto é também salvação pela graça :

At 15.11; Mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo, como eles também.
Ef 1.4; 4 Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;

1ª Pe 1.18-20). Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós;
1 Pedro 1:18-20

Eles também tinham o Evangelho

Gl 3.8; Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti.

Hb 4.2 : Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram.

. Em Ap 14.1-5 : E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que em suas testas tinham escrito o nome de seu Pai.
E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de harpistas, que tocavam com as suas harpas.
E cantavam um como cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra.
Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro.
E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus.
Apocalipse 14:1-5

vemos uma multidão de judeus salvos da terra na grande tribulação. Em Ap 6.9 :
9 E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.
e 7.9-11: Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos;
E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus,
Apocalipse 7:9-11
vemos uma multidão de gentios salvos no céu, porém saídos da terra, após sofrerem martírio.
2a FASE A VINDA DE JESUS EM GLÓRIA
É a sua revelação ou manifestação pessoal em glória, majestade e poder às nações da terra.
Esta revelação se dará tão logo termine as Bodas do Cordeiro. Apoc. 19 : 11 – 16

Sua vinda se dará lentamente Mat. 24 : 30 Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; e todas as tribos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

Todo olho o verá Apoc. 1 : 7 Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá,…

Virá acompanhado da esposa
Jd. 14 … Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos.
Apoc. 19 : 14 E seguiam-no os exércitos que há no céu em cavalos brancos e vestidos de linho fino, branco e puro.
Virá acompanhado pelos anjos Mat. 25 : 31 E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos santos anjos, com Ele, então, se assentarão no trono da sua glória.

Haverá convulsões na terra Mat. 24:29 E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol se escurecerá, e a lua não dará mais a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.

Descerá sobre o Monte das Oliveiras Zac. 14 : 4 E, naquele dia, estarão os seus pés sobre o Monte das Oliveiras,…

O povo Judeu será libertado Zac. 14 : 4 – 5 … e o Monte das Oliveiras será fendido pelo meio,… e fugireis pelo vale dos meus montes.

Será o fim da Grande Tribulação Apoc. 20 : 2 Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, eu é o diabo e satanás, e amarrou-o por mil anos.

A ressurreição dos mártires da grande tribulação Apoc. 20:4 … e vi as almas daqueles que foram degolados pelos testemunhos de Jesus, e pela Palavra de Deus…

Implantará o reino milenial Apoc. 19 : 15

“Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos….”

Mateus 22.1-14 : “…Então Jesus, tomando a palavra, tornou a falar-lhes em parábolas, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho; E enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas, e estes não quiseram vir. Depois, enviou outros servos, dizendo: Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto; vinde às bodas. Eles, porém, não fazendo caso, foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio; E os outros, apoderando-se dos servos, os ultrajaram e mataram. E o rei, tendo notícia disto, encolerizou-se e, enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas, e incendiou a sua cidade. Então diz aos servos: As bodas, na verdade, estão preparadas, mas os convidados não eram dignos. Ide, pois, às saídas dos caminhos, e convidai para as bodas a todos os que encontrardes. E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; e a festa nupcial foi cheia de convidados. E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias. E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos….”

BIBLIOGRAFIA
Referências Bibliográficas (outras estão acima)
Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.
Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD – BÍBLIA de Estudo NVI EM CD – BÍBLIA Thompson EM CD.
Mateus – Série Cultura Bíblica – R.V.G Tasker
CPAD – http://www.cpad.com.br/ – Bíblias, CD’S, DVD’S, Livros e Revistas. BEP – Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE – http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
www.ebdweb.com.br – www.escoladominical.net – www.gospelbook.net – www.portalebd.org.br/
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm
Dicionário Vine antigo e novo testamentos – CPAD
Dicionário Bíblico Wycliffe – Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, John Rea – CPAD
Lições Bíblicas CPAD – Jovens e Adultos – 3º Trimestre de 1998 – Título: Escatologia — O estudo das últimas coisas- Comentarista: Elienai Cabral – Lição 9: As Bodas do Cordeiro
Escatologia – Doutrina das Últimas Coisas – Severino Pedro da Silva

Comente!