Elementos Essenciais no Conhecimento segundo Aristóteles 1

O Completo

É Conhecido por completo aquilo que tem todas as partes; preenchido, concluído, total, perfeito, inteiro. Aquilo que não pode ser ultrapassado em seu gênero. Se em uma tarefa quando executado o seu cumprimento na totalidade, se for considerada a expectativa quanto a alguma coisa, quando esta for satisfeita. O termo pode ainda ser aplicado a uma coisa ou sujeito quando se quer estender o seu significado tanto para o bem quanto para o mal; exemplos: a) forma positiva: este médico é perfeito; b) forma negativa: este é um perfeito cafajeste. As coisas também podem ser classificadas como perfeitas quando atingirem seu fim. Considerando-se a vida de um homem, esta se completa com a morte, que é o seu fim. Como define Aristóteles :

“Em decorrência disto, visto que o fim é algo extremo, entendemos o significado da palavra para coisas más e falamos que alguma coisa má está completamente arruinada e completamente destruída quando nada falta para a sua destruição e para o seu mal, e haja alcançado um extremo. Esta é a razão porque chama-se a morte, num sentido figurado, de o fim, porque ambos são coisas extremas. E o objeto extremo da ação também é um fim.”

O Limite

Dentro do conhecimento limite é entendido como uma linha ou ponto divisório; linha de demarcação, fronteira natural que separa uma coisa da outra ou mesmo um país de outro; um marco. Nas ciências matemáticas limite é a grandeza constante, de que uma variável se pode aproximar indefinidamente, sem atingi-la jamais. Pode ser considerado também o extremo do conhecimento que se tem de uma coisa enquanto substância. É por outro lado a própria substância de cada coisa, pois tudo o que foi depreendido dela e todo o conhecimento que se tem dela está inserido em seu limite. Como argumenta Aristóteles:

“Limite significa a parte mais remota de cada coisa, o primeiro ponto fora do qual não pode ser encontrada nenhuma parte de uma coisa, e o primeiro ponto dentro do qual estão contidas todas as partes…o fim (extremo) de cada coisa (sendo este fim aquele para o qual convergem o movimento e a ação, e não o fim de que procedem, embora por vezes sejam ambos – tanto o fim do qual procedem quanto aquele para o qual convergem, ou seja, a causa final.”

Pr. Armando Taranto Neto

Comente!

2 Comentários

  1. Clélia

     /  17 de junho de 2010

    Oi Xu amei seu blog!
    Beijos Te Amo!

  2. Lindo seu blog! =D

Comente!