UNÇÃO DEMAIS ESTRAGA

oleos-261x200

Por: Pr Armando Taranto Neto

É de fazer qualquer pai da Igreja rolar no túmulo as heresias que estamos testemunhando no que toca à compreensão da “Unção”.
A mais recente está relacionada a uma Bíblia que ficou imersa em “óleo puro de oliva”, detalhe, óleo de “Israel”, por um longo tempo. Após retirarem o Livro do recipiente escorreram o excesso do azeite em outra vasilha e este azeite extraído da Bíblia Sagrada viria “imantado “ com a unção das oito mil promessas nela existentes. No final do ano seria distribuído entre os membros para com ele besuntarem o que quiserem: casa, carro, cachorro, periquito, garrafa de cachaça, órgãos genitais (é isso mesmo), etc.
É muita criatividade.
Infelizmente todos estes ensinamentos insanos tem origem no desconhecimento das Sagradas Escrituras. Não basta ler a Bíblia para compreendê-la. Jesus determinou que a “examinássemos”. Um exame requer esmiuçar, selecionar, avaliar, estudar, relacionar o texto com os contextos utilizando de técnicas responsáveis de hermenêutica, história, línguas originais etc.
Inventa-se unção para tudo: “Unção de vitória”, “Unção de ousadia”, “ Unção de conquista”, “Unção de Multiplicação” , “Unção financeira” , e por aí vai.
A Bíblia Sagrada não faz menção a nenhuma “unção” maluca destas, mas sim que temos “uma Unção única dada por Deus”, como registrado em I Jo 2 20;27:
Mas vocês têm uma unção que procede do Santo, e todos vocês têm conhecimento.
Quanto a vocês, a unção que receberam dele permanece em vocês, e não precisam que alguém os ensine; mas, como a unção dele recebida, que é verdadeira e não falsa, os ensina acerca de todas as coisas, permaneçam nele como ele os ensinou.
Nem mesmo para a ordenação Pastoral a Palavra de Deus determina que se unja o candidato, mas que se “imponha as mão” ou não, simples assim.
O problema reside em que os charlatães aventureiros precisam dar um ar de misticismo em todas as sua deturpações escriturísticas, uma vez que lhes falta conteúdo e apoio bíblico.
Outro absurdo foi um suposto representante de uma “nova visão” ministerial que resolveu se ungir com uma tal de “unção de Arão”. Desta vez deixou registrado todo o episódio circense onde doze litros de azeite foram despejados sobre sua cabeça. Para dar um teor clássico ao drama ele bradava em latim:
“ – “ex nusquam” (do nada), se não havia salvação agora vai ter, dinheiro que não vinha vai vir, demônios vocês estão derrotados em nome do Deus de Arão.” Quase sofre afogamento por excesso de besunte. Ora, só o nome de Jesus já é o suficiente para alcançarmos toda a sorte de bênçãos, todo o resto do teatro está dispensado.
A conclusão que chegamos em meio a tanto desvio doutrinário é o seguinte: “Quanto mais conhecemos a Palavra de Deus menos unção necessitamos”.Unção demais estraga!

Comente!

5 Comentários

  1. Michel gutierrez

     /  4 de novembro de 2015

    Muito bom

  2. Robson Alves Jacinto

     /  5 de novembro de 2015

    É a comercialização da palavra de Deus e tudo que envolve a imagem dele.

  3. Antonio Sousa

     /  9 de novembro de 2015

    Oportuna palavra meu amado. Em Cristo já temos a unção que necessitamos. Amém!

  4. Antonio Sousa

     /  10 de novembro de 2015

    Muito oportuno, movidos pela ganância fazem do povo seu negócio. Nossa unção já foi dada por Deus em Cristo mediante o Espírito. É aconselhável tomar a palavra com toda oração e súplica para evitar heresias. Avante amado!!!

  5. Armando Taranto Neto

     /  3 de fevereiro de 2016

    Amém amados

Comente!